2 Anos trazendo a lógica!!

[OFF] Violência contra a mulher: pense nisso

Sei que não é o melhor momento pra jogar esse post no blog, mas é o momento em que as coisas estão acontecendo e, por motivos diversos, estou sem meu blog pessoal. É algo completamente off, como o post do Enem da Tammie e o do diploma de jornalista da Lils e, embora muitas analogias possam ser feitas, não tem nada a ver com Bella Swan e Edward Cullen, Crepúsculo e o que seja.

Falarei dos dois casos absurdos rolando na mídia, um mais que outro: o da Eliza Samudio e o da Mércia Nakashima. Digo “um mais que outro” porque a coisa da tal da Eliza, se procede, é hedionda demais, mas ambos, evidentemente, são casos horríveis, nenhum menos pior nem nada. São seres humanos, são mulheres que perderam a vida por alguma coisa que, por pior que seja, não vale tudo isso. Porque, veja bem, já disse Gandalf: se você não pode dar-lhes a vida, não seja ávido ao julgar e condenar alguém à morte (sei que a citação não é exatamente essa).

De qualquer forma, queria chamar a atenção pra esse detalhe: são mulheres. Como Eloá era uma mulher. Como tantas outras perseguidas, agredidas, mutiladas, violentadas são mulheres. Tantas e tantas que foi necessário criar uma lei específica pra agressão contra mulheres.

Tem gente que às vezes ri desse lance de feminismo. Tem gente que desdenha pra dizer que tudo é “problema da sociedade machista e patriarcal”, tem gente que acha que algumas formas de machismo são bonitinhas (!), tem gente que diz um milhão de coisas. Talvez porque entenda o feminismo como uma libertação feminina muito pouco séria e não entenda o QUANTO essa relação de oprimido X opressor afeta a vida de muitas mulheres, inclusive daquelas que nunca sentiram na pele o que é a discriminação por gênero.

Não sei se me faço entender direito, mas é por aí: há quem pense que o feminismo é só conseguir para a mulher o direito de trabalhar fora e de abrir as pernas pra quem quiser e quando bem entender. Pronto, acabou aí. Não tem mais o que a mulher possa querer. Mas não é verdade. A gente pode falar em política, pode falar em direitos, pode falar em milhares de coisas que não são de interesse da sociedade como um todo (I mean, gente mais alienada ou desinteressada ou o que seja), mas existem aqueles problemas maiores que poderiam ser com qualquer uma. Como a agressão doméstica a mulheres.

E aqui eu falo de agressão. Não é de relacionamento. Não é de mulheres destruidoras de coração. Não é das mulheres que não querem nada sério ou isso ou aquilo. Não gosto de falar do assunto, mas tive um namorado que adorava dizer que o problema de tudo são as mulheres. As mulheres que ridicularizam os homens feios, as mulheres que estão interessadas só em dinheiro, as mulheres que acham que podem muito porque são mulheres e daí por diante. Não, não é disso que to falando. Algo que me é importante é que algumas coisas são caráter, e não gênero. Homens também desprezam mulher feia, mulher pobre ou mulher gorda. Homens também brincam com sentimentos. É caráter. Fim.

Falo de coisa maior. De violência. De morte. De mulher que é morta porque quis ter voz, quis ter vontade. Não importa se a Samudio quis dar o golpe no Bruno. Não importa se a Mércia tinha problemas profissionais com o ex-namorado. Um ponto comum, e que é um ponto comum com o caso do Lindemberg, e também é um ponto comum com milhares de outros sem tanto destaque, é que são envolvimentos amorosos/sexuais que acabaram em morte… da mulher.

Agora para e pensa: quantas vezes um homem esteve no mesmo lugar? Quantas vezes um homem foi violentado ou assassinado por ciúme, pelo sentimento de posse da mulher, por inconformidade, porque deu o golpe na ex? Eu conheço um ou outro, concedo. De fato, assim, numa situação dessas, conheço um. A mulher era traída. Mandou matar o marido. Um. De mulher que ameaça, já vi muitas. De mulher que cumpre a ameaça, nenhuma. Essa aí que matou, de fato, nunca ameaçou. De homem, só na mídia nesse ano e meio de blog, foram três. Também vivi, há alguns anos, uma pessoa muito próxima da família ser assassinada pelo ex-marido ciumento.

Essa pessoa próxima fez várias queixas. O marido a ameaçava há tempos. Não quero entrar em detalhes nem nada, mas o caso é que ela ia à delegacia da mulher cada vez que ele fazia uma ameaça nova. Só tomaram providência depois que ela morreu. Diz na mídia que a Samudio também denunciou o Bruno por ameaça. Vai saber. Não sei, pode ser ineficiência da polícia (que a Tammie que me desculpe, mas a gente sabe que rola e MUITO), pode ser aquele papo de “cão que ladra não morde”…

Independente disso, acho que eu nunca ouvi falar de algum homem que efetivamente procurasse uma delegacia pra abrir queixa de ameaça feita por mulher. Eles nunca levam a sério, é algo como “aquela louca disse que quer me matar, hehe”. Provavelmente porque sabem que isso talvez nunca aconteça, “cão que ladra não morde”. Eles nem precisam de lei que o ampare nessas situações, porque provavelmente não é algo corriqueiro. É a ideia do sexo forte, afinal.

E a gente sempre acha que não vai acontecer com a gente, né? Eu acho. A gente sempre acha que é grandinha, que sabe se defender, que não vai cair nessa lábia, que sujeito que ameaça não merece segunda chance, essas coisas. Sim, a gente tem consciência, a gente sabe como agir, às vezes a gente até tem noção de auto-defesa pra se livrar de algum cara maluco. E eu não duvido que a Mércia, que a Eliza, que a Eloá e que a minha conhecida também tinham…

Essa última aí já tinha se afastado do sujeito, já tinha denunciado, já tinha tomado providências… e não adiantou nada, porque ele tinha uma arma. Como o Lindemberg. O que é que a gente pode fazer contra uma arma? É claro que ninguém ta livre disso, homens, mulheres, cachorros, crianças. Mas não to falando de crimes no geral, então nem vale a pena abrir mais esse ponto. O negócio é que não adianta a gente saber se defender se o cara tem uma arma. Na noite do ocorrido, ela disse que não daria carona pra um aluno, porque sabia que tava sendo seguida. Ela nem foi pra casa dela. E não adiantou nada, não porque o cara fosse mais esperto, mas porque ele tinha uma arma…

E se violência doméstica, da qual a gente consegue escapar se não for Amélia, já é algo complicado só pelo estigma da força física superior que tem o homem, que é que dá pra dizer sobre o cara, além de tudo, ter uma arma? É o homem branco e heterossexual, forte por definição, portando aquilo que o torna praticamente invencível. Não é vitimizar a mulher. Repito: quantas vezes um homem se viu nessa situação?

De novo: não é vitimizar a mulher. É só pra pensar nisso. Eu nunca tinha pensado até a Eloá morrer, e só pensei porque li por aí. Como já disse, talvez aqui no blog, acredito no discurso como forma de ação porque, afinal, EU fui convencida por algum discurso um dia (e só assim, sendo convencido, é que a gente pensa em levantar a bunda da cadeira e tomar alguma atitude, afinal). Então, sei lá, quando vejo por aí esses lances de “feministas não me representam” ou “malditas feministas, é por causa delas que a gente tem jornada dupla de trabalho”, a primeira coisa que penso é na Lei Maria da Penha. Não porque considero um ganho feminista que ela tenha existido, mas porque considero um absurdo machista ela precisar existir (como sei que precisa, sim).

Sei que é um post breve e nem foi super explorado nem nada, mas pra fechar, repito o que disse lá em cima: tem gente que acha que o feminismo é só conseguir pra mulher o direito de abrir as pernas e de trabalhar, mas não é. Nem é só discutir padrões de beleza e objetificação e desvalorização da mulher, não (ainda que a violência doméstica ou a “subjugação” num relacionamento seja uma forma de desvalorização). Talvez essa seja a gente que chegue aqui e fale que não entenda porque achamos que Twilight é machista. Sei lá, não é o momento pra analogia. Só espero que o post seja brecha pra alguém entender que a coisa é MAIS e corra atrás. Hahah. Parece folgado de minha parte dizer isso, mas (ainda) não sou autoridade no assunto e não quero ser citada por ninguém pra isso.

Só acho que é válido pensar sobre.

E voltemos à programação normal.

(Ana)

Anúncios

94 Respostas

  1. puta que PARIU….esse site é uma merda…venho dar minha cara a tapa e me xinguem o quanto quiser…..mas twilight foi capaz d mt mais q vcs q só sabem criticar bando de fds….
    se nao gosta da saga…desculpa mas vc tem mal gosto se fude td mundo….essa historia d q os vampiros da Meyer saoo zuados e essas porras tds…..ela pelo menos teve imaginaçao pra criar algo distindo o contrarios de tds vcs….e se um filho da puta invento um monte de merda sobre vampiros e lobos…a Stephanie desmembro td essa porcaria….entrei no site pk realmente fikei curiosa em saber o poq esse site era tao famoso, acabei d perceba q vcs sao mt babacas….espero q tenham coragem de me responder
    #sangueverde

    23/07/2010 às 8:50 pm

  2. Julia

    Nossa, que post mais maduro o de cima. Eu fico realmente entediada só de ler esses comentários dos lovers, porque sempre são iguais, nuncam mudam! =/

    Quanto ao post da Ana que é muito mais importante… eu realmente gostei. Apesar de não ter nada a ver com Twilight (tá, um pouquinho -Q) é realmente importante que as pessoas se concietizem mais sobre o que anda acontecendo. Eu espero que todo mundo leia e apenas reflita, e é ótimo você Ana usar esse espaço pra isso.

    É um absurdo o que anda acontecendo não só com as mulheres, mas com todos (o que eu acho mais chocante é a quantidade de casos de pedofilia e outros crimes contra as crianças). A diferença é que a maioria dessas mulheres estão desprotegidas e desamparadas. E não importa se Eliza era uma vadia querendo dar o golpe, ninguém deveria bater em ninguém. E muito menos morrer do jeito que ela morreu…

    Parabéns pelo post Ana! o/

    23/07/2010 às 9:10 pm

  3. ALEX TWILIGHT

    esse pessoa ae do primeiro post deve ter serios problemas mentais,oh crianca vai se tratar

    23/07/2010 às 9:21 pm

  4. Ana está de parabens.
    Qualquer desrepeito a seja quem for é um insulto ao amor que todos desejam que esse mundo tenha.

    23/07/2010 às 9:30 pm

  5. Twilight Haters

    Ana, casa comigo?

    (Anísio)

    23/07/2010 às 10:31 pm

  6. Lover não-sensato
    Se eu fosse da família Foforks, estaria com muita vergonha de sua falta de capacidade de escrever agora O.o”

    23/07/2010 às 10:39 pm

  7. ALEX TWILIGHT

    pois eh venenosa,essa criatura ae do primeiro post foi simplesmente ridicula e infeliz no comentario

    23/07/2010 às 11:01 pm

  8. Ingrid

    “Euu porra”
    é precisa de muita coragem e força de vontade pra responder esses argumentos fundamentados e racionais.

    Enfim, cada dia amo mais esse site, o modo que vcs colocam as coisas e a tratam é um serviço público, agradeço pela existencia de pessoas como vocês.

    23/07/2010 às 11:17 pm

  9. Vanessa

    “espero q tenham coragem de me responder” porque não teríamos? *morri agora*

    Parabéns Ana :)

    23/07/2010 às 11:19 pm

  10. Twilight Haters

    To estupefata com esse primeiro comentário.

    E espero sinceramente que eu tenha entendido errado a parte que diz “e se um filho da puta invento um monte de merda sobre vampiros e lobos…a Stephanie desmembro td essa porcaria…”, sério.

    Porque, oh, se não entendi, eu digo que é esse tipo de coisa que ME TIRA O GOSTO PELA VIDA ¬¬

    E nem dá coragem de responder, é. Uff.

    Ana

    24/07/2010 às 12:02 am

  11. Yasmim

    Espera, Espera…
    Concordo com “quase” Tudo desse post… Da violência às mulheres que ta um caso sério e tals…
    mas Twilight, opá esse é o ponto…
    bom eu tava lendo e pensando, pensando e pensando
    Ai eu me perguntei, Cara como é que “pessoas normais” que dizem não gostar de Twilight fazem um blog e vivem falando mal da saga?
    Resposta mais do que obivio…

    Pk ama ama ama ama a Saga Twilight, tipo assim pk “pessoas normais” fariam um blog para perde tempo falando mal de uma coisa que é insignificante para elas?
    Cara, sei lá do que vcs gostam, mas eu axxo que vcs deveriam aproveitar seu tempo livre para, tipo assim, fazer um blog do que vcs gostam e tals… ou então assumir de vez que gostam de Twilight…
    Agora …
    Pode ser que esse blog aki só quero aparece flando mal de twilight fazendo fãs virem aki e quebra o pau ou não fÃS virem dá apoio a pessoas que se dizem normais …
    Se liguem, meudeus!!!!!!!
    Vão viver suas vidas e parem de flar da vida alheia ou de coisas que vcs dizem Odiar!
    A vida é pra ser vivida enaõ pra ser assistida!
    Conselhinho: Amores PAREM DE PERDE SEU TEMPO FAZENDO ESSAS BESTEIRAS!
    aINDA BEM QUE POR ACASO EU ENTREI NESSE BLOG para ajudar pessoas que tem “probleminhas”, que falam mal dos outros ( no caso Twilight), mas que só fazem mal a si mesmas
    Talvez vcs nem dé a minima pro meu comentario, mas no futuro ou quando vcs crecerem( se acontecer) vcs vão ver que isso aki é um lixo e vão se envergona dó que fizeram!”
    Obs: Num vou pedi descupas se eu humilhei alguem ou não A verdade é para ser dita e as vezes dói, só dizendo aki que EU ACREDITO EM VCS E QUE UM DIA VCS SAIRAM DESSA!(oU NAÕ!

    Bjinhos “pessoas nOrmais”

    24/07/2010 às 12:04 am

  12. Twilight Haters

    AH Yasmin, pelo amor. Você se deu ao trabalho de PELO MENOS ler o post abaixo? De verdade!

    E cara, esse discurso de falsa psicologia é tenso DEMAIS!

    “A vida é pra ser vivida, e não pra ser assistida”

    Acho que ninguém aqui está ASSISTINDO nada. Pelo contrário.

    “Obs: Num vou pedi descupas se eu humilhei alguem ou não A verdade é para ser dita e as vezes dói, só dizendo aki que EU ACREDITO EM VCS E QUE UM DIA VCS SAIRAM DESSA!(oU NAÕ!”

    Pra ficar assim? Prefiro como está, OBRIGADA! Precisa se preocupar com a gente não. A gente dispensa caridade.

    Ou talvez nós só não somos crescidos como o ser sabedoria aí acima!

    Lily

    (Sobre o primeiro comentário, da “Eu porra”… cara, um ser vem me falar algo ASSIM num post OFF, que não tem relação com o blog, e ainda me pede coragem? Ai Jesus, é MUITO entregar que entrou aqui e comentou no primeiro ootão que viu)

    24/07/2010 às 12:25 am

  13. Yasmim

    Queridinhas… LI SIM esse post, de verdade, axxa que eu to perdendo meu tempo aki fazendo o que?
    Bom, se não gostou DÁ “Minha falsa psicologia” não posso fazer nada, mas vc só me provou que eu to certinha amr, pk enquanto vc ta com sua bunda na cadeira escrevendo coisas ridiculas sobre coisas que vcs “não gostam”, tem um mundo ai fora querida… E tenho certeza que a melhor maneira de ver ele não é sentada escrevendo “merda” na net, então ainda repito:
    A vida é pra ser vivida e não pra ser assistida” pk na real é isso mesmo que vcs tão fazendo, estão olhando pra vida passa, estão sentadas na plateia da vida onde na verdade deveriam estar no palco! Se vcs quizerem mesmo entra no palco e ser a atriz principal da sua vida… Pare de falar dos outros, isso já vai ser um começo! Sabe nada do que vcs falarem vai importar, nada do que fãs loucas de twilight falarem vai importa… os atores estão ganhado o dinhero deles, fazendo o que gostam e não estão nem um pouco se lixando pra vcs(Hastes) ou pra vcs(fãs), axxo que cada um deveria foca na sua vida e não Adora ou falar mal de outros
    Sabe pk? Pk no fim tds são iguais os atores são iguais vcs(fãs e hasters) eles tem sentimento, tristezas e sabem quem fazem vcs pensarem que eles são maiores do que vcs? São vcs mesmo quando dão super atençaõ a pessoas que no fundo são iguais!
    Vcs vão axxa isso ai uma merda, mas não é! é só a verdade que algumas(maioria) pessoas que gostam e/ou não conseguem ver!

    E eu ser sabedoria? Q nada sou louca! Louca! louca!

    O unico problema do ser humano é que tds são loucos só que nao adimitem!

    e eu só to tentando ajudar, na verdade eu sei que isso td vai dar em nada, mas eu ainda tento nao sei pk!Mas na verdade não importa o quando vc se importe as pessoas nunca vão se importa!

    24/07/2010 às 1:02 am

  14. Twilight Haters

    “mas vc só me provou que eu to certinha amr, pk enquanto vc ta com sua bunda na cadeira escrevendo coisas ridiculas sobre coisas que vcs “não gostam”, tem um mundo ai fora querida…”

    Yasmin, você leu ESSE POST em que você tá deixando comentários e os dois citados nele (sobre o Enem e o diploma dos jornalistas)?

    Assim, acho que a gente tem MUITA percepção de que existe um mundo, que a gente vive nele e que a gente também é vítima dos problemas dele. Mesmo num blog sobre algo banal como Twilight, às vezes a gente toca nesses assuntos, e tenho certeza que ninguém aqui da equipe fica fazendo vudu pra ator da série ou pra Meyer enquanto o tempo não para.

    De fato, a gente já passou da idade de pensar “um dia vou crescer e ter vergonha disso”. A gente não tem vergonha justamente porque a gente tem ciência de que o blog não é o centro da nossa vida e, ahn, como os três posts citados mostram um pouco, a gente tem alguma percepção de que o mundo anda PODRE e não só porque Twilight faz sucesso (embora isso seja um indicativo sério da falta de percepção crítica e interesse pela leitura hoje, já que a gente precisa de uma porcaria mastigada dessas pra fazer adolescente ler).

    Assim, sério, não precisa vir aqui com pregação e frase feita, não, pra chamar a gente pra realidade.

    Ana

    24/07/2010 às 1:09 am

  15. Twilight Haters

    Ana, por que você se deu ao trabalho de responder? Sério.

    (Thay)

    24/07/2010 às 1:39 am

  16. Twilight Haters

    Porque eu gosto de perder tempo =)
    (han, han, han)

    Ana

    24/07/2010 às 1:56 am

  17. ALEX TWILIGHT

    essa yasmim eh uma lover retardada,essa idiota entrou aqui pra falar besteira,eh esse tipo de fã retardada que suja a imagem dessa grande saga twilight

    24/07/2010 às 2:49 am

  18. ALEX TWILIGHT

    essa yasmim eh uma retardada,demente,imbecil
    haters,não levem em consideração o que essa demente falou,eh obvio que essa yasmim tem problemas mentais
    eu sou um Lover,mas eu respeito esse site hater,por isso eu frenquento muito aqui
    parabens ana,belo post esse sobre violência contra a mulher

    24/07/2010 às 2:54 am

  19. Tamara/Tammie

    Aí, meu cu para isso.

    Você quer falar de percepção, Yasmin? Ok, quantos são os presidenciáveis em 2010, além de Serra e Dilma? Você sabe quais são seus partidos, ou quais são suas propostas? Ou você vai “votar em quem ta ganhando”, porque o Brasil ta uma merda mesmo e no way que uma
    pessoa votando em alguém diferente vai mudar alguma coisa, já que todo mundo sempre vota nos mesmos?

    Você quer falar de percepção? O que você sabe sobre a educação no Brasil, em que
    o Serra se sentiu super feliz de dizer que durante o governo DELE em São Paulo a educação foi a melhor do país, mas esqueceu de mencionar que estamos em 80º e alguma coisa no ranking de educação mundial? Ou, o que você sabe dizer sobre o Brasil ser um dos países com maior desigualde em renda
    per capita, divulgado alias até esses
    dias pela Globo (o que me surpreende, até, porque eles sempre procuram alienar… Não que a maioria precise de apoio pra isso, btw).

    Ah, e sobre a crise financeira que assola a União Europeia, com estimativas que o euro deles não sobreviva por muito tempo? E a crise mundial desde o final de 2008, ou você acha que ela já acabou? A “marolinha”, segundo o Lula? E o desastre no Haiti, você sabe como estão as coisas lá por fora?

    Agora… E as coisas que você faz no seu dia-a-dia? Porque, claro, para dizer que nos perdemos nosso tempo e estamos assistindo a própria vida, você deve ser uma pessoa muito atia, batalhadora mesmo nas causas sociais, lutando pelos oprimidos e dando seu sangue por sonhos. Você faz isso, sacrificar prazer por trabalho? Prazer por sangue? Você tem um grande sonho, em que não revolve só você,
    mas um bem-estar para todos ao seu redor, não necessariamente financeiro?

    Você já ajuda nas pequenas coisas?

    Pois é, eu to perguntando porque não sei da sua vida, da mesma forma como você não sabe da minha, ou a dos membros da equipe. Se quer ser ouvida, e ser considerada, aprenda a ter certeza de suas palavras. Porque, claro, se você tem tempo para falar que somos isso e aquilo, e COMENTAR sobre isso, obviamente você também tenha tempo de ler as suas postagens anteriores que explicam quem
    somos, porque escrevemos aqui e qual é o objetivo do blog.

    Você, que gosta de frases feitas, já deveria saber que temos dois olhos e ouvidos para observar e aprender mais, antes que possamos falar algo que preste.

    24/07/2010 às 9:34 am

  20. Tamara/Tammie

    * ativa
    * duas postagens anteriores, não suas.

    Digitar do celular é triste.

    24/07/2010 às 9:38 am

  21. dannie

    Eu queria entender porque todo fã de Twilight tem analfabetismo funcional. Eles vem aqui “argumentar”, mas parecem que mal conseguem juntar duas palavras.

    24/07/2010 às 10:38 am

  22. Considerando que ela acha que escrever na net é não-viver, será que ela vai copiar isso e por no Foforks, Twilight Brasil, Crepusculinho…
    Ela é filosófica, embora não nos entenda. =D
    “E aqueles que estavam dançando foram julgados insanos por aqueles que não ouviam a música”.

    24/07/2010 às 1:08 pm

  23. Twilight Haters

    “O que você sabe sobre a educação no Brasil, em que
    o Serra se sentiu super feliz de dizer que durante o governo DELE em São Paulo a educação foi a melhor do país”

    Ah, Serra…

    A classe dos professores tem muito a dizer sobre isso. Mas muito, muito mesmo. E não é nada com cheiro de satisfação.
    Tsc, tsc.

    Mas a Yasmin provavelmente tá por dentro de tudo, Tammie. É mó militante, oh.

    Ana

    24/07/2010 às 1:09 pm

  24. Laís de Paula

    Bem, só passei aqui pra dar um oi.
    Oi.
    E antes de ir, Ana, o post ficou muito legal mesmo.
    E Yasmin, sério, você parece aquelas pessoas que leu muito livro de auto-ajuda. Nem me interessa o porque. Mas pensamento positivo garota! ;D
    Euu Porra, com esse nome, nota-se que você ainda não saiu da formação primária de qualquer ser. Só que já criou dedos, provavelmente por causa de alguma mutação Record. Ficou até com sangue verde, olha ai! Me abstenho de terminar meu comentário, por que minha mãe já está quase me expulsando daqui.
    “não só porque Twilight faz sucesso (embora isso seja um indicativo sério da falta de percepção crítica e interesse pela leitura hoje, já que a gente precisa de uma porcaria mastigada dessas pra fazer adolescente ler).” +1
    Ana, já disse que eu te amo? ;*

    Beijos da Laís

    24/07/2010 às 1:11 pm

  25. Twilight Haters

    Pois é, gente. A Yasmim não precisa ser militante ou engajada pra nos dar lições de moral. Ela já fez a parte dela: já leu “O Segredo”. Risos.

    (Anísio)

    24/07/2010 às 1:41 pm

  26. Twilight Haters

    A Yasmin faz a parte dela entrando em blogs e abrindo os olhos das pessoas. Vocês não entendem o engajamento que isso representa, né?

    Ana

    24/07/2010 às 3:18 pm

  27. Tamara

    HSUAHUEUSHAUEUUSAHE Opa, noção de mundo essa garota, e tenho dito!

    E Ana, eu imagino o non-satisfaction a respeito do Serra, apesar de ter me formado em escola particular, qualquer um na cidade tem uma ideia de como é o ensino público… Vide o 80o algo na lista mundial, né? :/ É triste bagarai isso

    Tammie.

    24/07/2010 às 3:47 pm

  28. Twilight Haters

    Ela deve ter lido A Hospedeira, na verdade. Outra Twifan nos alertou que SÓ lendo aquele livro a gente vai entender de verdade os problemas do mundo.

    24/07/2010 às 4:19 pm

  29. Ingrid

    O mais legal dos comentários da Yasmin, é que ela acha que ownou as Haters bonito, quando na verdade a gente le esse tipo de coisa todo dia, queria saber quando foi que esse tipos de Lovers (pq existtem lovers decentes), compraram a verdade, pq eu não sabia que eles eram donos dela.

    E o que mais irrita, a Ana fez um puta post bonito que merece ser lido e comentado, e pensado, e a gente vira toda a atenção pra esses seres repetitivos, isso eu acho perca de tempo.

    24/07/2010 às 4:47 pm

  30. Line

    Ainda não entendo o machismo do Edward… sei lá, ele é abusivo mas acharia “machista” palavra muito forte…

    Me desculpe, mas não tenho pena nenhuma dessa Eliza! Tudo bem, que matar é crime mas… quando tinha “linha Direta” TINHA muitos casos que retratavam o que está nesse post! A Eliza tenho quase certeza que queria explorar, engravidar de jogador de futebol para viver de pensão… aí, o preço? A morte! É assim, a ambição acaba nos levando a sete palmos de concreto.

    Não sou a favor da morte dela, não é isso, mas ficar fazendo dela de vítima e coitadinha é demais! Ela sabia o que estava fazendo só não esprava lidar com um psicopata!
    Mas acho que mulheres trabalhadoras, que dão duro, apanham e são mortas pelo marido por nenhuma razão, sim, merecem destaque! Pois essas são as verdadeiras vítimas!

    Bato palmas para a Ana! Não sou feminista, pois o feminismo anti-casamento e anti-homem que acha que as mulheres devem dominar o mundo e pinas neles é o cúmulo! Pois acho que devemos defender os seres humanos em geral, sem discriminação ou vitiminação de um certo grupo da sociedade. Mas mulheres devem conquistar suas opiniões sim, mas como seres humanos ao lado do homem nunca inferior ou superior. Sim como um ser humano! Feminismo para mim de ser diretora de empresa mandando em todo mundo e dando por aí, sinceramente, é ridículo!
    Direito e liberdade não é poder e nem libertinagem!

    Uma coisa que discordo é que sim: homens são maltratados por mulheres sim. Mas quase não aparece na mídia. Por exemplo, a mulher espancando a filha adotiva apareceu em tudo que é revista e jornal… mas já teve crianças matando adultos, e aí?

    Teve uma pesquisa de mulheres que concordam com a violência gratuita (ou seja, não para defesa e sim vontade de atacar) contra os homens, e se eles revidarem elas se se fazem de frágeis e são presos. Já vi homem na rua apanhando de mulher. Sou contra violência de maneira geral! Independente de que seja a vítima.

    Mas elogio novamente a Ana por ter revelado o lado “obscuro” do feminismo.

    “E o que mais irrita, a Ana fez um puta post bonito que merece ser lido e comentado, e pensado, e a gente vira toda a atenção pra esses seres repetitivos, isso eu acho perca de tempo”

    Pois é, tanta coisa para ser discutida (pois esse post é um pouco polêmico) e vem gente ficar postando besteira só para irritar o pessoal. ¬¬

    24/07/2010 às 5:14 pm

  31. Guilherrme

    Mais fácil a Yasmin swe envergonhar por ter sido fã de cRepúsculo do que o povo aqui do blog se envergonhar por ter feito os posts. Exemplo: lá na minha universidade uma amiga ia fazer uma trabalho sobre crepúsculo (Na universidade!!! Isso pq ano passado um dos trablhos de conclusão de cursdo foi sobre Sol da Meia noite), a professo0ra ficou falando “Você vai me fazer ler esse livro mesmo?” (hauauuahauhau) e eu e uma outra colega começamos a falar dos erros do livro com a professora, depois essa minha amiga perguntou um outro livro que ela poderia usar pra fazer o trabalho dizendo que ia ser paia usar crepúsculo. XD

    E esse post foi ótimo, ontem tava vendo um video de uma briga de uma mulher e um homem bebado. E tinha homem nos comentários dizendo que ela tinha que apanhar mwesmo pq mulehr num pdoe bater em homem e que se fosse marido dela ia bater nela tbm. O.o E ficavam criticando os homens que falavam que tinahm pena da mulher ou que o marido devia ter ajudado. ¬¬ Eu acho que esses caras fazem parte dos “muitos que merecem morrer” que o Gandalf fala. E o pior é que tinha mulher dizendo que ela devia apanhar tbm! E depois vem as fãs e dizem que não existe mulher machista. Aham, Cláudia senta lá.

    24/07/2010 às 5:26 pm

  32. marilia

    Oha, Line, opinião é algo bem pessoal mas discordo muito do que você disse.
    Então porque a mulher é vagaba ela merce morrer? Ela sabia no que estava se metendo e teve o que procurou? esse tipo de pensamento abre brecha para justicativas escrotas em relação a violencia do homem para com a mulher.

    é como dizer: a criança aceitou bala de estranho e foi estuprada e morta. Bem feito. o.O Percebe o absurdo da coisa? Mesmo que a elisa fosse um mau carater, vadia e ser dos infernos, eu ainda sinto pena dela, como um todo. Midia nenhuma está colocando ela como boazinha: já revelaram que é filha de um possivel estuprador (imagina o que esse pai pode ter feito com ela?), de uma mãe ausente, fez filme pornô, saiu com o time inteiro do São Paulo…
    Foi BEM FEITO pros otarios que caem n labia das mulheres.
    Acho que a coisa todo do feminismo é que a mulher nunca foi maltratada da maneira como o homem é… tem homem que apanha de mulher sim, mas voce vê mulheres estuprando homens? Escravizando homens (adultos, é claro) sexualmente? Espancando quase que diariamente os homens? Dificilmente.
    Existem aquelas feministas radicais demais, mas no geral acho válido sim ter um grupo de luta que foi sempre desvalorizado. Na Idade Media, a unica mulher que prestava era a pura e inotcada, como Maria, mãe de Jesus. Do resto, prestava só para procriar. Se reclamasse…
    Mulheres não são sempre as vitimas. Tem muita gente mau carater andando pelo planeta… homem ou mulher, gay ou hetero, adolescente, velho ou adulto… Mas o que Elisa relamente fez? Se aproveitou de mau-carater. E agora ela está morta.
    nesses casos, super apoio pena de morte aqui no Brasil.

    24/07/2010 às 5:49 pm

  33. Twilight Haters

    Não, Line. Eu não desculpo você por não ter pena nenhuma da Eliza. Não desculpo uma pessoa cruel a ponto de julgar a outra, e dizer que ela merece morrer de forma extremamente dolorosa (pelo menos mais do que outras mulheres, sabe? aquelas que são trabalhadoras e não libertinas. As de bem, moças de família) por causa do estilo de vida que ela levava.

    Talvez você não ache que o Edward é machista porque você mesma o é? Porque assim, todo esse seu negócio de “mimimi, os homens também são agredidos” é tão furado. Sim, as mulheres também agridem os homens. Os negros são preconceituosos com os brancos (ZOMG!). E é claro, se existe orgulho gay, por que não instaurar o orgulho hétero também? Não é preconceito.

    Exceto que é. Mulheres não crescem sendo educadas pra bater. Os homens sim. Brancos não passam a vida inteira se sentindo menores por causa da cor da pele. Os negros sim. Heterossexuais não são obrigados a deixar de ser o que são quando vão nos churrascos de fim de semana com a família. Homossexuais sim. Por isso se faz todo um alarde em cima das minorias oprimidas, e não das maiorias-que-são-oprimidas-de-vez-em-quando-só-mas-ficam-tipo-super-ofendidas.

    E só pra complementar; sim, claro, o ideal é que todas as pessoas sejam tratadas como iguais, sem preconceitos. Acontece que existem padrões de comportamento extremamente preconceituosos que são reproduzidos, e partir do pressuposto que todos são tratados do mesmo jeito na sociedade AINDA ABSURDAMENTE PRECONCEITUOSA em que a gente vive é no mínimo… er… burrice.

    (Anísio)

    24/07/2010 às 5:52 pm

  34. Line

    Não sou machista. ¬¬ Quem defende ele é outra pessoa que quando coloco os argumentos vai contra-argumentando que não é machista… mas tento ver claramente nas entrelinhas.

    A questão não é ficar criticando a Eliza porque foi “vagaba”, não estou falando isso (nem citei!). O tipo de vida dela não me interessa, a questão é se não houve alguma razão para acontecer isso. Ameaça ou outra coisa?

    “Mulheres não são sempre as vitimas. Tem muita gente mau carater andando pelo planeta… homem ou mulher, gay ou hetero, adolescente, velho ou adulto… Mas o que Elisa relamente fez? Se aproveitou de mau-carater. E agora ela está morta.”

    FATO! Talvez eu tenha me expressado mal *coça a cabeça*…

    Não estou julgando o TIPO de vida dela e NEM defendendo sua morte! Não defendo a morte de quem fez nada. Não estou dizendo nada que “vagabas merecem morrer” Nada ver, isso é tolice!

    O ponto é: se ele foi chantagiado? Se ela mandou ameaças que “se não pagar a pensão, conto tudo para sua mulher?” Ou se a própria mulher do cara mando ele dar um fim nela por ciúmes?

    O cara foi psicopata, espancou e foi acabar com ela… é crime e tem que ser julgado como, mas… achar que toda vítima não fez nada é outra história…

    Tem o ditado “homem que bate em mulher é covarde”, o que é verdade. O Homem sério sabe que deve bater em outro homem igual a ele!

    Claro que nem todos são tratados igualmente! Preconceito existe sim! O negócio é tentar ajustar isso…

    24/07/2010 às 7:04 pm

  35. Twilight Haters

    “O ponto é: se ele foi chantagiado? Se ela mandou ameaças que “se não pagar a pensão, conto tudo para sua mulher?” Ou se a própria mulher do cara mando ele dar um fim nela por ciúmes?”

    Mas esse tipo de chantagem é caso pra tanto? Contar tudo pra mulher? Considerando o número de amantes que alguma midia listou esses dias como sendo “as mulheres de Bruno”, imagino que a oficial saiba que ela coleciona galhada. Ouvi papos de que a Eliza sabia podres de um policial corrupto e usava isso pra ameaçar. Mas não vejo como a história possa se ligar de modo que chegue no caso Bruno-filho-pensão ela saber, sei lá, que o policial contrabandeava arma pra dentro do morro. Era um caso entre ele e ela, e se ele quisesse uma “queima de arquivo”, não existe um motivo X ou Y que justificasse algum envolvimento do Bruno.

    É claro que ela não ela santa, aparentemente nem a tal da Mércia era santa, e ninguém pode afirmar que a Eloá foi ou não. E é claro que muito homem morre (pelas mãos de outros homens, na maior parte das vezes) em queima de arquivo, acerto de contas e tudo. Mas, como eu comentei no post, o que tem em comum nesses casos é que foram mulheres que, de alguma forma, se envolveram afetiva ou sexualmente com os homens.

    E, gente, não vamos confundir feminismo com outras coisas. Feminismo não prega supremacia de ninguém. Algumas atitudes podem ser extremistas (conheço feministas que não falam palavrão, porque a ideia transmitida pelo palavrão induz ao machismo, e não peçam pra explicar isso agora), mas a busca final é só pela igualdade.

    No mais, o Anísio disse absolutamente tudo. Uma mulher sua vizinha bate no marido. E quantas infinitas mulheres apanham do marido? De novo: só o fato de existirem leis que amparem homossexuais, negros e mulheres já mostra como funcionam as coisas. Aí meu irmão comentou hoje que as leis (especialmente a Maria da Penha) não são justas porque existem homens que apanham de mulheres e não têm a que recorrer. Sério, se fosse algo suuuper corriqueiro e que incomodasse DE VERDADE homens e autoridades, alguém ACHA MESMO que não existiria algo específico sobre?

    Ana

    24/07/2010 às 7:52 pm

  36. Cynthia

    Haaan… Existe isso de “foi” psicopata? Para mim uma vez psico, seeempre psico. E concordo com muita coisa que o Anísio falou sobre a pressão e agressão ao que a “sociedade” acha diferente. Detesto esse pensamento machista de que somos coisas e objetos deles. Mércia e Eliza foram assassinadas como coisas e objetos. A coisa que queria ser independente e se dar bem na vida, a que queria se ver livre.
    Também tenho um caso de agressão à mulher em minha família e como MULHER sinto-me profundamente enojada ao deparar com esse tipo de ser vivo (não, para mim eles não são pessoas) e pior, ver que muitas vezes aprenderam com o próprio pai. Ainda essa semana ouví um senhor comentar que achava a coisa mais feia do mundo uma mulher se separar do marido… Olhei para ele e comentei: então reze para que suas filhas casem com quem as trate bem. Caso contrário terão que morrer nas mãos deles porque o pai acha feio elas viverem suas vidas longe desses monstros.
    Mas venho também lembrar a menina de 16 anos que após rejeitar um pedido de namoro foi arrastada pelo “rapaz” e o primo dele para um matagal onde levou SEIS tiros na cabeça. Para sobreviver, se fingiu de morta rolou um barranco, atravessou um rio e andou vários KMs na mata até encontrar alguém que pudesse ajudá-la. Ela perdeu a visão em um dos olhos e o primo do “rapaz” está foragido. Ela escapou, mas vejam só o preço que algumas mulheres pagam APENAS por falarem “Não”.
    Acho que crimes contra mulher, idosos e crianças deveriam ter punições muito mais severas…

    24/07/2010 às 8:45 pm

  37. Adorei o post Ana. mt bom.

    24/07/2010 às 9:41 pm

  38. Paloma

    Esta sou eu, chorando. Post muito bom.

    25/07/2010 às 12:02 am

  39. Ana, Anísio. Sem palavras. Vocês disseram tudo.

    25/07/2010 às 12:53 am

  40. likeabutterfly

    Isso da polícia é bem sério. Muita gente inclusive não denuncia por medo. Mulheres não o fazem por medo de serem ridicularizadas, tratadas como ser menor ou como ‘vagabundas que fizeram por merecer’. E o pior é que as vezes têm medo com fundamento. Até por isso que a maioria das delegacias da mulher têm funcionáriAs, para intimidar menos.
    Já esse negócio de mulher que ameaça, existe, não é tão notável porque os métodos são diferentes dos que os homens usam. Mulher com ciúme chantageia, usa do emocional e do sexual, convence. E o que tem de mulher louca por aí não é brinquedo. Mas se um homem presta queixa, teria de pôr sua sexualidade em prova, na visão dos outros.
    Mas que a mulher fica muito mais vulnerável diante disso, fica. Tanto que a esmagadora causa de assassinatos de mulheres é passional ou ligada à violência sexual. Raramente um homem é morto assim sem ter sido violento com a parceira antes.

    25/07/2010 às 2:35 am

  41. Tenshi - Gabrielle

    Ana, gostei muito do post.
    Li uma parte dos comentários, mas cansei e parei depois do da Line =.=
    Algumas pessoas são meio sem noção (o primeiro que postou e a Yasmim) Tipo, eu to aqui, lendo, porque to de FÉRIAS. E cada um aproveita a vida do jeito que quiser, ponto. u.u

    Agora em relação ao seu post, eu concordo. A Eliza queria dar o golpe, OK, mas, HELLO! O cara MATOU a mulher. Ela não merecia isso. Caramba, que mundo é esse em que todos se odeiam?
    Nenhuma mulher merece isso. Ninguém merece ser agredido e morto. E sabe por que são as mulheres as que mais sofrem nessa história? Porque é algo que vem desde a antiguidade, quando os homens descobriram que tinham participação no ato de gerar filhos (já fomos consideradas deusas por essa capacidade num passado muuuuuito distante) e ficaram assim… Atenas: um bando de gay onde mulher só servia pra ter filhos. Esparta: tinham que ser perfeitas pra serem mães de guerreiros perfeitos. E por aí vai… Sem falar num passado recente onde só os escravos e servos sabiam pelo que as senhoras passavam na mão de seus senhores… u.u
    A diferença de ontem pra hoje: hoje a mulher pode falar, a lei protege e o homem é punido. Pelo menos na teoria… u.u
    Infelismente a coisa só funciona (E mal e mal) depois que a mulher já está à sete palmos.
    E que Deus proteja de algo assim acontecer comigo ou qualquer pessoa que eu queira bem (isso inclue vocês, do Twilight Haters) Soa meio piegas, mas é o que eu sinto ‘-‘

    25/07/2010 às 6:24 am

  42. Concordo com a Line.
    Não estou dizendo que ela merecia, nem falando dos outros casos. Eloá, Mércia e tantas outras estupradas e mortas é diferente, também me comovo e sofro junto.
    Mas gente, reparem que vcs colocam o caso da Eliza como violência do HOMEM contra a MULHER. Concordo com a Line: não foi isso. Foi violência de um bandido contra o chantagista. Ele deve ser julgado pelo assassinato, merece cadeia como todo homem que mata outro homem, não vejo esse caso como violência-de-homem-contra-mulher. Se em vez de Eliza tivesse sido o porteiro-que-descobriu-o-caso-e-fez-chantagem ele teria sido morto do mesmo modo. Não tem haver com machismo, nem feminismo, nem sexo frágil. É como um negro ser parado numa blitz com os dois faróis quebrados e vc dizer ‘foi parado só porque era negro’. Não, foi parado porque os faróis estavam quebrados.
    E sem querer ser polêmica, mas a Maria da Penha é falha sim.

    25/07/2010 às 12:18 pm

  43. Twilight Haters

    Olha, Venenosa, pra te falar a verdade eu nem tenho acompanhado esse caso a fundo. Acho um saco essas matérias super inúteis e sensacionalistas que a TV fabrica pra deixar as pessoas super revoltadinhas por alguma coisa que não faz a mínima diferença na vida delas. Mas pera lá, mesmo que a morte da Eliza não tenha sido violência direta de homem-contra-mulher (o que é discutível, e bastante, se é que os testemunhos de que ela foi torturada por horas antes de morrer forem verdade. Será que eles torturariam um homem do mesmo jeito?), as reações que ela tem provocado nas pessoas são no mínimo fantásticas.

    A Maria da Penha é falha? Pode até ser. Mas não é por isso que a gente vai sair legitimando preconceito e falar sobre como os homens são oprimidos na nossa sociedade, porra. Eles não são, não porque são homens, pelo menos.

    (Anísio)

    25/07/2010 às 2:22 pm

  44. Maria da Penha é falha pq só protege a mulher, estaríamos supondo que a violência doméstico só se aplica a mulher ou ao homem? E a criança? O idoso? o adolescente homossexual? o deficiente? A lei só pensou na mulher, não em ‘vítimas’.
    As mesmas reportagens falam em dois homens serem ‘interrogados’ no no mesmo lugar enquanto eram mordidos por cães até a morte, logo não seria diferente se Eliza fosse homem. E eu não quero dizer que esse caso merece menos destaque que os outros, só acho que ele não pode ser posto na mesma categoria que casos como da Mércia ou da Eloá.

    25/07/2010 às 2:38 pm

  45. Narcisa Le Fay

    “A Maria da Penha é falha? Pode até ser. Mas não é por isso que a gente vai sair legitimando preconceito e falar sobre como os homens são oprimidos na nossa sociedade, porra. Eles não são, não porque são homens, pelo menos.”
    A lei é falha sim porque ela parte da idéia de que mulheres precisam de mais proteção do que homens. É fato que a lei veio para tentar suprir uma disparidade entre sexo?Sim, é fato. É fato que essa disparidade ainda existe? Também é. Mas também é fato que homens – e aqui eu quero que todo mundo ponha a mão na cabeça e pense que homem não é só o marido, e sim o filho, neto, irmão e qualquer que viva em situação de família com alguma mulher – são vítimas. Não tão numerosas, mas são.
    Porque eles não denunciam? Pelo simples motivo de que se ele, como homem, for a uma delegacia – considerando, é claro, no mundo lindo e maravilhoso que todos possam abrir um processo – e contar que uma mulher o agrediu, de qualquer forma, ela vai ser ridicularizado de um modo que vocês, desculpem, não imaginam.
    E além do que, há o fato de que há a questão de que a lei não se aplica ao pai que agride o filho e nem para casais gays de homens.
    E só porque não é noticiado não quer dizer que não existam.
    Bom, algumas lições jurídicas: o termo violência contra a mulher equivale à violência doméstica – e não adianta nenhuma interpretação extensiva aqui; o termo indica unicamente isso – logo, só cabe para os casos de violência doméstica, o que não é o caso de três dos quatro exemplos que foram mencionados.
    Porque isso: porque violência doméstica se caracteriza pela agressão que uma mulher sofre dentro do ambiente familiar – ressaltando que não precisa ser dentro da casa. E já foi decidido que namoradas não compreendem família.
    Não importa que a namorada seja vista como parte da família, ela não tem a “proteção” que a lei dá, porque, como eu disse, para a lei, ela não é “família”, “pertencente ao âmbito familiar”
    Logo, Eloá – que foi um caso de erro de polícia, antes de qualquer coisa -, Eliza e Mérci não são vítimas de violência contra a mulher. Elas são vítimas do mau preparo da polícia – no caso da Eloá – e de desaparecimento – porque por mais que a mídia insista em jogar que ela foi assassinada, não há provas, até o que me foi passado, de que ela foi efetivamente assassinada.
    Então são três exemplos de coisas bem diferentes: um da ineficiência da polícia, um de assassinato por motivo torpe, e um de desaparecimento. Ocorreu das três vítimas serem mulheres,mas, de novo, não é o caso de violência contra a mulher.
    Essa falta de distinção prejudicou o meu entendimento sobre o texto: eu não consegui captar se a Ana falou de violência doméstica, se falou de violência contra o gênero ou se falou de violência no plano geral. As três situações merecem destaque e o devido cuidado, mas são coisas diferentes e devem ser tratadas de modo diferentes.
    E não, porque a vítima ser mulher não é um ponto em comum. Se fosse, poderíamos ficar aqui citando os mil e um casos em que as vítimas são/eram mulheres e, desse modo, esqueceríamos de todos os meninos que são diariamente abusados e espancados e que estão excluídos, pela lei Maria da Penha, de uma sanção mais rígida para os seus agressores.
    Os três casos, no entanto, servem de exemplo para verificar o modo abusado e comprometedor que a mídia e a justiça agem. Não é porque foi imputado ao acusado – só para avisar quem não sabe: até o momento da sentença, ninguém pode ser taxado de culpado, mesmo que o seja – um crime mais violento, que a mídia pode excluir qualquer direito que ele tenha – interrogatórios NÃO podem ser filmados, delegados NÃO podem falar certos detalhes e NÃO podem opinar (francamente, a opinião deles NÃO pode importar para nada), e a mídia não pode falar o que finge que não sabe (é direito da pessoa não produzir provas contra si mesmo, sabiam disso?) apenas para manipular a situação.
    E no fim de todo esse circo tem o juiz que é ameaçado pela população, caso ele não dê a sentença que eles querem.
    Não sei se alguém percebeu, mas esses são os mecanismos de condenação de muitos inocentes no Brasil, e que parecem ser aceitos em determinadas situações.
    Não estou dizendo que o Linderberg, Bruno e o namorado da Mércia tenham sido vítimas, mas sim que há a única semelhança desses casos é a expressão de como os brasileiros esquecem-se de tudo pelo o que lutam – e,aqui, nesse caso, é um processo justo e imparcial – para satisfazer uma sede de vingança estúpida e primordial.
    E de como, principalmente, reparam que esses casos foram usados para desviar o foco de assuntos de sumo importância – cofcof a eleição cofcof.
    E Ana, desculpa, criar lei no Brasil é o mesmo que nada. Cito a própria Maria da Penha que mostra um cuidado com a vítima impossível de ser posto em prática. Não é não querer, é simplesmente não poder. Não há como,no Estado São Paulo, atender a todas as demandas e ainda cuidar do tráfico e outras denúncias feitas. A lei é bem feita, o problema é um Estado que está impossibilitado de,agora, colocá-la em prática por falta de recursos financeiros, devido ao desvio de dinheiro e decisão de algumas pessoas de não pagarem os impostos – e sim, eu falo de decisão porque eu conheço mais de dez que não pagam simplesmente porque não querem.
    Exige muito mais do que boa vontade para conserta a situação.
    E eu estou falando de São Paulo. Imagine outros Estados em que as pessoas não podem nem denunciar os crimes que sofreram porque não possuem RG – é meus amores, você precisa de documento de identidade para denunciar alguém.
    Ao mesmo tempo há uma quantidade absurda de mães, mulheres, que denunciam delitos que não aconteceram – como, por exemplo, falar que o marido a espancava e abusava da filha, quando, na verdade, isso não ocorria – e acabam atrasando outros processos.
    Então temos mais de um problema: a falta de dinheiro, a falta de preparo, o machismo e uma parte da população que usa do Poder Judiciária para fazer graça – e que,de novo, não são poucos.
    O que me incomodou muito no post – além da confusão que eu já mencionei – foi a parte em que foi dito em que a violência contra mulher é feita por homens brancos e heterossexual. Violência – principalmente a doméstica – independe de etnia e de orientação sexual – apesar de serem a maioria, não são absolutas. De fato, os maiores índices de violência doméstica está nas classes mais baixas,e por conseqüência, em cidadões que não são da etnia branca- o que, de novo, não impede que ela ocorra nas classes mais altas; o próprio Pimenta Neves é um exemplo disso. Também não estou dizendo que ser de uma classe mais baixa é o mesmo que ser negro ou descendente de, e sim que a maior parte da população branca está nas classes mais elevadas. Se fosse verdade que a violência atinge principalmente a eles, não haveria casos, ou eles seriam escassos, nas parcelas menos privilegiadas – que, eu já disse, não é bem a situação.
    A violência não depende de classe. O que acontece é que somente são divulgadas as agressões cometidas contra as classes mais elevadas.
    E eu volto a repetir, não é porque elas não são divulgadas que elas não ocorram.
    Leis no Brasil são feitas tendo em vista dois propósitos: manter o status quo – do qual acredito que quase ninguém daqui faça parte – e servir de cala a boca. O Código Penal vira e mexe é modificado de modo impróprio apenas para que as pessoas parem de reclamar – e,assim, esqueçam dos reais problemas.
    Para finalizar, gostaria de dizer que acredito que a intenção post tenha sido nobre; entretanto a confusão com os tipos de violência, os casos citados e certos posicionamentos me incomodaram e dificultaram o meu entendimento sobre o que se deve ser posto em reflexão.
    E só para deixar claro, eu não disse que a vítima A, B, C mereceu o que recebeu ou que todas as mulheres que denunciam a violência doméstica estão fazendo graça. Acho que todos são bem inteligentes para entender o que eu falei, mas é sempre bom deixar ressaltado para o caso de haver alguma confusão.
    Beijos.

    25/07/2010 às 4:05 pm

  46. Twilight Haters

    Vene, eu não sei até que ponto é a chantagista e o bandido e até que ponto é a ex-amante enchendo o saco, então matei. Como eu disse, o que ouvi é que ela sabia alguma coisa de algum ex-policial ou policial amigo do Bruno (que eu imagino que seja o cara que executou, efetivamente, o crime). Pode até ser que seja, mas como eu disse no outro comentário, não entendo qual seria o envolvimento do BRUNO numa situação dessas. Eliza sabe que o policial é corrupto e o chantageou. Bruno é acusado de ser um dos culpados da morte de Eliza. Ahn, tá, mas por quê? Eu também não to acompanhando muito, só sei do que me falam ou que leio nos destaques do UOL, e até já comentei aqui mesmo que esses lances de queima de arquivo acontecem sempre. Só não entendo o que o ex-amante tem a ver com a morte, no caso, se aparentemente quem perderia com a chantagem nem era ele.

    E, bom, não acho que a Maria da Penha seja falha porque só protege a mulher. É a maior vítima da violência doméstica, logo de alguma forma é quem precisa dela. Como os negros conseguiram criminalizar o racismo e os homossexuais a homofobia (bom, não sei se é algo já efetivo, mas passei 3 anos com um sujeito repetindo que existe uma lei assim e assado, então)… já que criminalizar o machismo (ainda) é algo muito surreal, pelo menos a mulher sabe que tem algum amparo pelo menos em alguma situação específica. E, sim, existem as agressões aos idosos, aos deficientes e às crianças, mas essas últimas também já têm a “proteção” da lei, já que o ECA fala algo sobre maus tratos o_o concordo que a agressão ao idoso e ao deficiente deveria ser criminalizada, mas não acho que seja algo que caiba como “cláusula” na Maria da Penha. É oooutra situação…

    Ana

    25/07/2010 às 4:17 pm

  47. Narcisa Le Fay

    Mas Ana, onde que a Eliza foi queima de arquivo o.O? Ela desapareceu porque tentou chantagear uma pessoa – o Bruno. Isso não é bem queima de arquivo.
    E não, a homofobia não é diretamente criminalizada. Existem meios de punição para ela, mas não existe nenhuma lei que impute uma pena maior para os delitos que sejam praticados com esse intuito. Há a discussão se se aplicar a lei d Racismo para os crimes de homofobia, mas não há nada definido.

    25/07/2010 às 4:28 pm

  48. Maria da Penha foi criada para resolver a violência doméstica, então idoso sendo agredidos pelos filhos, filhos sendo espancados pelos pais, humilhações, isso tudo é em família, é dentro do ambiente familiar, portanto ‘devia’ ser protegido pela Maria da Penha.
    E quando me refiro a chantagem, me refiro ao golpe que ela deu no Bruno. Se ele fez, nada provado, não foi por ser mulher ou uma ex-amante, fez porque foi um golpe e ele foi vítima de chantagem.

    25/07/2010 às 4:39 pm

  49. Twilight Haters

    Narcisa, acho que você me interpretou mal, e só.

    Eu usei o termo “violência contra a mulher” porque, bom, são violências contra as mulheres. Não só as domésticas. Se eu não posso chamar a violência contra a mulher de, ahn, isso aí porque tá restringindo só aos casos de violência doméstica, então temos um problema linguístico, já que não existe um termo pra designar o que é aquilo que sofre a mulher agredida.

    Citei os casos em destaque porque foram episódios recentes de mulheres assassinadas por seus pares (ou ex, o que dá no mesmo). Não é algo “do direito”, não é caso de violência doméstica, é pura e simplesmente pra ilustrar o tal do machismo que o povo acha que é invenção de “lésbica mal comida”. Como já foi dito aqui no blog mil vezes, inclusive sobre Twilight, poderia ter sido uma mulher que matou um homem, nenhuma das situações impede o inverso. O problema é que NÃO FOI e NÃO É, na maioria das vezes. Como na maioria das vezes não é uma mulher que estupra um homem, não é uma mulher que faz graça com um homem na rua porque ele tá andando sem camisa, não é uma mulher que encoxa um homem no ônibus, não é uma mulher que passa a mão na bunda de um homem “porque ele tava rebolando e provocou” e não é o homem, então, que não deve nem rebolar e nem sair sem camisa, se não quer ser asseadiado ou até violentado. Porque um homem que passa sem camisa num beco escuro é só um homem sem camisa num beco escuro. Uma mulher que passa de decote ou saia curta num beco escuro é uma mulher que tá pedindo pra ser estuprada.

    O post pode ter ficado confuso, mas foi muito mais sobre isso que eu quis dizer do que a violência doméstica ou “pobre Eliza Samudio e pobre Mércia, morreram!”, ou até generalizar os crimes. Como falei, eles têm em comum SIM que são mulheres assassinadas por seus “ex”, ainda que judicialmente os caras respondam por crimes diferentes. Não to falando de justiça, de leis, de nada disso. Citei a Maria da Penha porque é um exemplo de como as coisas ainda são cretinas. Não disse em nenhum momento que devem ser criadas mais leis, muito menos que a justiça aqui funciona, e nem disse que TODAS as mulheres sempre são vítimas. E também não to falando de violência contra a criança, o homossexual, o idoso, o negro, o pobre, o índio. Não é um post sobre minoria oprimida, mas sobre a opressão da mulher.

    E, evidente, nem todo crime é cometido pelo homem branco e heterossexual. Mas o homem branco e heterossexual é o extremo opressor, oras. Ele é homem, é branco e é heterossexual. Ele não é discriminado por ser gay, nem negro, nem mulher, e por ser branco já é inferido que também não é de classe social menos favorecida, logo é o opressor maior. Mas é óbvio que negros também podem espancar suas mulheres (e suas avós, seus filhos de 5 anos e seu cachorro).

    O negócio é só que a gente vive num mundo em que até a violência contra o animal recebe mais visibilidade do que as violências contra as mulheres. “Rodeio é crime”, mas aquela vadia que tava andando de minissaia às 23h da noite tava PEDINDO pra ser encontrada morta numa caçamba no dia seguinte. O ponto é esse. A “violência” é essa, não é só a doméstica, não é só marido X esposa ou namorado X namorada. Pode ser que não seja exatamente o que eu disse no post, mas eu nem queria me estender muito, e já vi que devia. A Samudio, a Mércia e a Eloá só ilustram isso recentemente, em situações específicas, e achei que era suficiente.

    Só, também, chamando a atenção pra um ponto: existem milhares de meninos, do sexo masculino, que também são violentados todos os dias. E quem são os agressores? Mulheres? De fato: quantas são as assassinas em série que matam exclusivamente homens? Qual é a proporção delas pro número de assassinos de mulheres, especialmente prostitutas?

    É esse o ponto. A opressão e a violência decorrente dessa opressão. Não a violência doméstica em si ou a legislação acerca dela, o que dá margem pra outra discussão. É só a violência vivida pela mulher só porque ela nasceu mulher. É só o fato de a mulher ter que se comportar de um jeito X ou Y pra não ter “pedido” pra ser morta ou violentada, ao passo que ao homem basta não ser “bandidinho”. To sendo redundante, eu sei, mas espero que tenha ficado claro.

    Ana

    25/07/2010 às 4:44 pm

  50. Twilight Haters

    Como eu disse, não acompanhei o caso da Eliza assim, diretamente.

    O que soube é que ela sabia coisas de uma terceira pessoa que não era o Bruno, era o policial. Ninguém me disse que ela chantageou O BRUNO (só com aqueles lances de pensão, e não sei qual foi a ameaça dela) e eu também não li. De qualquer forma, se o cara ganha horrores e tá sendo chantageado por causa de pensão (se é que é), por que diabos ele vai MATAR a mulher? E ele teria matado se soubesse que ela poderia se defender?

    E eu não disse que foi um crime de queima de arquivo, disse que acerto de contas ou queima de arquivo acontece envolvendo dois homens.

    E também disse que não sei se é algo efetivo o lance do homossexual. Convivi 3 anos com um homossexual que sempre falava qualquer coisa de lei X (não decorei o número como ele) que transformava qualquer coisa contra homossexual em crime, mas de fato não sei se é uma lei específica ou uma lei que se aplica.

    E, Vene, eu sempre entendi a Maria da Penha aplicada só às mulheres e só em caso de violência doméstica, não qualquer caso de violência… mas os filhos espancados pelos pais, de qualquer forma, já têm seu lugar ao sol na legislação.

    Veja bem, de qualquer forma: não to dizendo que funciona, to dizendo que existe.

    Ana

    25/07/2010 às 4:57 pm

  51. Narcisa Le Fay

    Ana, o que eu quis dizer foi que os casos que você pegou não configuram violência contra mulher – nem no sentido de doméstico que, como você mesmo disse, houve um problema linguístico – e nem de gênero. As vítimas foram mulheres, ponto. A opressão que as mulheres sofrem não tem relação com esses casos porque um tratou, como eu disse, de erro da polícia e outro, de sumiço de uma chantagista.
    Eu entendo, agora, que você quis tratar da violência de gênero, mas como eu disse no comentário, e como volto a dizer aqui, os exemplos, o modo como o texto foi desenvolvido geraram confusão porque trataram de assuntos diferentes sim.
    E os termo criado – aqui violência contra mulher – deve ser empregado no contexto exato para não causar desentendimento para quem entende da situação.
    Existem crimes que são cometidos por homens brancos e heterosseuxias? Sim. São em grande quantidade? Sim – haja vista os piores crimes, na minha opinião, que são o devido de verba pública e o controle político que muitos não percebem. Porém, como eu disse, a violência doméstica tem maiores índices nas classes, já que não é uma questão de etnia e sim de machismo e de falta de instrução. Não estou isentando a culpa de ninguém aqui. Só disse que, do modo que o post foi feito, eles foram postos como os grandes vilões da história, o que, eu posso afirmar, não é verdade.
    Como o blog mesmo já mostrou, o machismo e a violência que dele ressulta independe de sexo. o que acontece, é que esses casos, por tratarem, como você disse, de homens brancos e heterossexuais têm maior repercussão.
    De novo, não estou dizendo que instrução e machismo provém de uma classe ou de cor de pêle; apenas que é inequívoco dizer que um grupo social é o maior responsável.
    E mulheres cometem crimes sim. As vezes não nos moldes que os homens, e em quantidade menor, mas elas cometem e sendo minoria ou não, devem ser lembrados sim por risco de não jogar a culpa da violência em apenas uma parte da sociedade.
    Eu entendo o porquê de você ter pego os casos – até porque dificilmente alguém fora do mundo do “direito” saberia de melhore exemplos porque depende só da mídia para ter acesso a ele -, porém volto a repetir que eles não possuem ligação alguma com a sua argumentação porque, de novo,elas não foram mortas ou de alguma modo excluídas por serem mulheres. Esse casos não são exemplo de violência contra gênero, e sim de violência contra pessoas em situações bem diversas – a Eliza sumiu devido a chantagem que fez, a Eloá, por erro da polícia, e a Mércia, por ciúmes.
    Elas mereceram os crimes? Não. Mas eu volto a repetir, os casos delas não ilustram o que você falou porque tem de fundo uma motivação diferente da que você apresentou no texto e que isso prejudicou o meu entendimento.
    Não estou dizendo que eu discorde de você – eu tenho ciência da quantidade e das formas dos delitos que acontecem por questões de gênero e de violência doméstica – só disse que os exemplos que você utilizou não retrataram isso.
    E de novo, eu sinto que você perdeu o foco: que a discussão sobre os direitos dos animais assumiu uma posição de destaque nos últimos tempos é fato; porém as discussões sobre os direitos das pessoas continua. Elas só não são noticiadas porque não há interesse. Porém o que isso tem de relação com a violência de gênero? Animais passaram a ter mais importância na mídia do que pessoas, e não que um gênero.
    E eu nunca falei de assassinos em série. Eles representam outra discussão e outro problema que, de novo, não está ligado unicamente ao machismo. O que motiva um assassino em série são outras coisas. Ele vêem a vítima como um objeto?Em alguns casos, sim. Mas é tipo de agressão que não necessariamente está ligada ao machismo e a opressão que as mulheres vivem.
    A violência vivida pelas mulheres tem por fundo o machismo que, acaba por se manifestar na opressão, por exemplo, no campo de trabalho.
    Eu entendi agora o que você quis dizer. Só volto a dizer que os exemplos não foram bons.

    25/07/2010 às 5:19 pm

  52. Narcisa Le Fay

    E só para completar que, por algum motivo o blog cortou meu post, eu também sei que mulheres, quando sofrem algum crime – principalmente estupro – ou cometem algum crime se tornam páreas sociais. A sociedade tende a diminui-las e taxá-las como “loucas” , “irracionais” e “merecedoras do crime”. Isso sim é um violência contra o gênero porque marginaliza a mulher.
    Porém, de novo, não é caso dos crimes que estão em destaque da mídia.

    25/07/2010 às 5:24 pm

  53. Twilight Haters

    Narcisa, como eu comentei no post, foi o caso da Eloá que me colocou em contato com essa coisa toda de “crime contra a mulher” pela primeira vez no foco do crime CONTRA A MULHER.

    Na ocasião, eu disse a mesma coisa que você: “gente, nada a ver falar que isso representa um crime CONTRA A MULHER, poderia ter sido o inverso! Quantas loucas não existem que querem matar os namorados?” Eu e umas 800 meninas dissemos a mesma coisa: “minha filha, você tá brisando, tá ficando paranóica, com mania de perseguição”, mas hoje vejo completamente diferente.

    Como disse no post, também, EU MESMA conheço mulher que mandou matar o marido. E outra que ameaçava (mas, ironicamente, ela ameçava a MULHER amante do marido, e não o marido). É óbvio que mulher não é SEMPRE a vítima, que tem muita coisa que independe de gênero, de idade (ontem mesmo eu tava num blog vendo os assassinos mais jovens do mundo, crianças de 10, 11 anos que mataram outros E NÃO FOI por acidente). Mas dizer que um cara é “oprimido” porque vai ser ridicularizado se denunciar a mulher que o espanca ou ameaça não é tirar a mulher do posto de vítima, e sim reforçar o quanto existe o estigma – que, infelizmente, não é SÓ um estigma – do homem opressor (você talvez não tenha dito isso, mas alguns aqui já insinuaram que homens também são oprimidos), já que só a ideia de uma denúncia é ridícula. Ele é TÃO opressor que estar no lugar do oprimido vira um ridículo. Todos os inversos levam ao mesmo ponto.

    Poderia ter sido um homem? Poderia, mas não é. E pra quem não é do direito, acaba sendo tudo a mesma coisa. Se é erro da polícia, chantagem ou ciúme, quem não conhece lhufas sempre vai ver o caso como “o ex-namorado que matou”. Tá, talvez sejam exemplos ruins pra quem sabe o que rola além do que a mídia mostra. Mas, se pra quem não sabe é o “ex que matou”, então não foge do que eu to falando. Idem o termo “violência contra a mulher”. Pode confundir quem é da área, mas se não existe uma palavra ou termo “jurídico” que ilustre o que quero dizer a aqui se chegue a um impasse linguístico, mantenho esse, porque semanticamente ele representa a ideia. Falei, também, dos animais porque a intenção com o post era chamar a atenção pra como geralmente é mulher que se f*de em qualquer situação de relação abusiva ou por “besteira” (eu lembro de pelo menos mais três casos relatados na mídia recentemente de mulheres mortas ou mutiladas por ex’s, principalmente por ciúme, além da Mércia e da Eloá – já que o que levou Lindemberg ao apartamento dela, a princípio, foi ciúme -, mas não saberia citar algum de homem na mesma situação; e não vejo porque a mídia encobriria caso acontecesse, até porque seria ainda mais sensacionalista e “absurdo”), mas o lance nunca é visto da perspectiva do machismo implícito. E foi exatamente esse o ponto que foi abordado por outra pessoa há alguns anos, quando deu-se o caso Eloá, e que me fez chamar a outra pessoa de “maluca paranóica”. Se hoje entendo o que ela quis dizer, foi porque ela “não fez sentido” um dia, e eu espero que alguém um dia consiga entender o que eu quis dizer aqui.

    Como disse a Vene, se um negro é multado porque ele tá com a lanterna queimada, é porque ele tá com a lanterna queimada, e não é negro. É verdade. Mas se sempre são os negros multados com as lanternas queimadas, enquanto só um branco ou outro recebe a mesma multa, dá pra começar a achar que nem sempre o problema é a lanterna.

    Enfim, eu nem sei se to fazendo sentido porque to entrando em trabalho de parto pelo globo ocular e tudo, mas é algo por aí.

    25/07/2010 às 5:50 pm

  54. Rafael Holanda

    Geralmente eu gosto muito desse blog. Eu me divirto muito com os posts-crítica da Saga Crepúsculo (que é realmente uma bosta).

    Agora esse post sobre a violência contra a mulher eu não consegui ler até o final.

    Isso ocorreu não pq eu fiquei muito tocado com as palavras escritas e decidi não continuar. Isso ocorreu pq eu percebi que eu não concordo mais com a visão ginocentrista que tenta (?) tornar a violência contra a mulher um problema mais grave/mais importante do que a violência perpetrada contra os homens.

    Eu li o post inteiro até uma parte que comparava, meio que estatísticamente, os dois tipos (ou será só um?) de violência. Através de uma proporção de 3:1 a autora do post defende que a violência contra o homem é mais rara, quase um problema inexistente.

    O fato é que certos fatores influem para que a violência contra o homem seja menos percebida ou contabilizada pelas pessoas. A autora do post se questionou quantos homens ameaçados de violência procuraram a delegacia para prestar queixa. Ora, sabe-se que já é muito difícil para a mulher ir a delegacia prestar queixa devido a vergonha, sentimento de humilhação, etc. Agora realize como deve ser EXTREMAMENTE DIFÍCIL para um homem fazer a mesma coisa, devido toda essa baboseira cultural de que “o homem é o sexo forte” e o pensamento de que o homem que não consegue resolver tudo sozinho é um incompetente.

    (Continua…)

    25/07/2010 às 6:56 pm

  55. Twilight Haters

    “O fato é que certos fatores influem para que a violência contra o homem seja menos percebida ou contabilizada pelas pessoas. A autora do post se questionou quantos homens ameaçados de violência procuraram a delegacia para prestar queixa. Ora, sabe-se que já é muito difícil para a mulher ir a delegacia prestar queixa devido a vergonha, sentimento de humilhação, etc. Agora realize como deve ser EXTREMAMENTE DIFÍCIL para um homem fazer a mesma coisa, devido toda essa baboseira cultural de que “o homem é o sexo forte” e o pensamento de que o homem que não consegue resolver tudo sozinho é um incompetente.”

    E foi exatamente o que eu disse em um dos comentários: atitude essa que reforça o machismo. Os homens sendo prejudicados com aquilo que pra eles, até certo ponto, é bem vantajoso.

    Bom, Rafael, se você opta por não ler o post inteiro porque acha que é a violência contra a mulher recebe mais destaque do que deveria, então eu também opto por nem ler a continuação do seu comentário.

    Sabe como é, crianças também matam pessoas (sim) e ninguém diminui a importância da violência contra a criança por isso, já que é menos recorrente. A menos que você me mostre estatística comprovando que homens são tão assassinados por mulheres quanto o contrário, tá ok. Porque que homem mata homem todo mundo sabe, é.

    25/07/2010 às 7:05 pm

  56. Twilight Haters

    Não é nem uma questão de homem ser assassinado por mulher, mas sim de homem ser assassinado por mulher por ser homem, com base num preconceito que é culturalmente validado. Quer dizer que perceber isso é ter uma visão “ginocentrista”? Ai, minha Santa La Buceta.

    (Anísio)

    25/07/2010 às 7:13 pm

  57. Rafael Holanda

    É difícil comparecer a uma delegacia dar queixa sabendo que, MUITO PROVAVELMENTE, o delegado vai rir da sua cara porque “vc levou umas pancadas de uma mulher”.

    Outro fator, que aparentemente ninguém percebe, é que a sociedade (e nisso eu incluo a mídia) dá muito mais importância para os problemas que as mulheres enfrentam (principalmente os que são causados pelo gênero) enquanto os problemas dos homens (novamente: principalmente os que são causados pelo gênero) são esquecidos ou, quando discutidos, são tratados como piada. Como exemplo para ilustrar o que eu digo eu pergunto: Há algum tempo atrás veiculavam na TV propagandas que tratavam da prevenção do câncer de mama (importância do auto-toque, etc.), nessa mesma época quantas propagandas do mesmo tipo vc viu em relação ao câncer de próstata? Vc acha que essas eram veiculadas na mesma proporção? (Graças a Deus isso essa questão mudando atualmente com o Plano Nacional de Saúde do Homem).

    Os problemas de gênero DO HOMEM são muitos (inclusive o problema da VIOLÊNCIA DOMÉSTICA. Acredite, ele existe e não é pouco). A diferença é que ninguém dá a mínima pra eles.

    [ON] Violência contra o Ser Humano (Seja Homem, seja mulher): pense nisso.

    25/07/2010 às 7:15 pm

  58. Tammie

    Só um adendo nisso aqui: “Logo, Eloá – que foi um caso de erro de polícia, antes de qualquer coisa”

    O caso na verdade foi que a culpa começou pela intromissão da mídia. A polícia já tinha definido que iria usar sniper para “neutralizar” (como a própria polícia diz) o Lindemberg e não ocorrer casualidades quando a mídia se meteu, e com isso toda a divulgação e comoção que a imprensa fez. Eu nem posso entrar muito nessa em detalhes por motivos e motivos, mas depois que até gente sem noção como Sônia Abrão foi falar com o cara por telefone, a decisão de que a Eloá seria morta já tava feita.
    Por que? Direitos Humanos, e coisa e tal. Podem falar o que for, mas Direito aqui no Brasil favorece mais o bandido do que a vítima. Não é nem exagero, é só uma constatação do fato, e de qualquer um dos jeitos – matando o Lindemberg ou deixando a Eloá morrer, a polícia seria criticada e todo mundo ia cair matando pau sobre ela.

    25/07/2010 às 7:19 pm

  59. Line

    UFA! Parece que a discussão agora tá boa sem insultos…

    Aqui está a prova que não sou mentirosa e sei do que estou falando: http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u450084.shtml

    “E quando me refiro a chantagem, me refiro ao golpe que ela deu no Bruno. Se ele fez, nada provado, não foi por ser mulher ou uma ex-amante, fez porque foi um golpe e ele foi vítima de chantagem.”

    Bem, era disso a que me referia. Talvez pela forma que me expressei (pode ser pela minha falha de escrever idéias coesas ou erro de escolher bem as palavras). O que gerou equívoco aqui e parece que tem gente sentindo ódio de mim por dar a minha opinião (MEDA!)

    O que estava dizendo é que fui indiferente, ou seja, não tinha um lado a defender. Eu não defendo o Bruno pelo seu crime bárbaro e nem a Eliza por ter dado o golpe usando a criança para conseguir um dinheiro dele. Nem um ou outro estão certos.

    Sabe de quem eu realmente tive pena? Da criança, pois ela é a inocente da hisória toda. Foi gerada sem amor dos pais e “objeto’ de um golpe… agora, imaginem quando ela descobrir que o pai matou a sua própria mãe? Que trauma essa pobre criança pode ter?! Pior que casos assim podem gerar crianças violentas e quem sabe um homem que cometa crimes contra a mulher.

    Que fique bem claro, que não sou a favor da violência contra a mulher (exceto por legítima defesa), quem faz devem ser punidos quem bate em empregas domésticas e também em prostitutas! Ou qualquer uma independentemente de sua classe social. (Ou outros tipos de crime.)

    Gostei dos comentários da Ana, Narcisa e Venenosa.

    Uma boa noite a todos.

    25/07/2010 às 7:25 pm

  60. Twilight Haters

    Ok, eu disse que não ia ler nem responder, mas nem deu.

    Cara, você percebe que tudo o que tá no seu comentário é reflexo puro e simples de MACHISMO, né? Que o governo E a mídia são chefiados principalmente por homens e se eles não promoveram uma campanha de câncer de próstata de certo foi porque é uma situação humilhante um cara ser invadido por uma dedada, e não porque uma mulher tava ali boicotando tudo e falando “yey, nós somos mais importantes!”, né?

    Digo, é muito fácil “quebrar tabus” relacionados ao corpo da mulher, mas até pra saúde a virilidade do macho é mais importante. Quando o cara lá morreu de câncer de próstata (não lembro quem é que foi) e disse que preferia mesmo morrer a fazer o exame de toque ou divulgar o câncer ou sei lá, e abriu a deixa pra mídia e o governo (chefiados por homens) falarem do assunto como algo sério, quem é que se importou?

    Não, não foram as mulheres que boicotaram, repito.

    Ana

    25/07/2010 às 7:27 pm

  61. Rafael Holanda

    Anísio

    Se for pensar assim todos os casos citados no post NÃO ESTÃO relacionados a questão do problema de gênero (Violência Doméstica). Vou falar do Caso Bruno, pois é o que eu, infelizmente, mais acompanho. Neste caso, ACREDITO que o cara matou a Elíza pq ela queria dar o golpe no cara. Segundo o seu pensamento, os assassínos da Elíza falaram “VOU TE MATAR PORQUE VC É MULHER!!!!”. É óbvio que isso não aconteceu.

    Mas aí vão citar a questão “sentimento de posse”, que acredita-se estar relacionado ao machismo. Entretanto, esquecem-se que o sentimento de posse TAMBÉM ocorre em mulheres. Se eu não me engano esse foi o motivo do assassinado do homem por uma mulher que foi citado no post. Portanto, o sentimento de posse ocorre em ambos os gêneros, logo, não pode ser utilizado para reforçar APENAS a visão que “privilegia” (na falta de um termo melhor) a mulher.

    Quanto a questão ginocêntrica. A verdade é a seguinte:
    Alguém faz um post sobre a violência contra a mulher. Recebe 50, 100 comentários facilmente e 90, 95% deles falam “eu concordo”.
    Alguém faz um post sobre a violência contra o homem. Recebe 2, 3, 5 comentários e 50% deles fazem piada com a situação, 45% foram escritos por mulheres que acham que este alguém está “perdendo tempo” a discutir isso e 5% se propõe a pensar no assunto.

    Visão ginocêntrica = prestamos mais atenção nos problemas e reclamações das mulheres.

    25/07/2010 às 7:31 pm

  62. Twilight Haters

    Rafael, deixando as particularidades dos casos do post Ana de lado, você realmente acha que os homens sofrem com violência – e eu digo violência em geral, não necessariamente a física – nas mãos de mulheres, porque eles são homens; do que as mulheres sofrem, nas mãos de homens, porque são mulheres? Ou será que como a Ana disse muito bem ali em cima, a violência que o homem sofre é muito menos visível justamente porque o próprio modelo machista que legitima a agressão contra as mulheres ridiculariza aquela que é infligida contra os homens?

    (Anísio)

    25/07/2010 às 7:45 pm

  63. Rafael Holanda

    Ana

    Eu não considero “reflexo puro e simples do Machismo” tentar abranger as questões de gênero. Só que eu já vi essa reação (me chamar de machista) em outras mulheres com as quais discuti os mesmos assuntos aqui abordados. A única conclusão que eu posso chegar é que as mulheres NÃO GOSTAM de discutir assuntos que não as afetem diretamente. É mais ou menos assim: Quando eu começo a falar dos problemas de gênero dos homens, elas falam: “Ei! Será que dá pra falar dos MEUS problemas primeiro? Aí se a gente tiver um tempinho a gente dá uma olhadinha nos seus.”

    Outro erro muito comum é achar que porque o Presidente do Brasil é homem ele vai dar mais importância pra mim do que pra mulher que está ao meu lado. Nada pode estar mais errado. Hoje as mulheres têm voz na sociedade, as suas reclamações são ouvidas e os seus requerimentos são atendidos ou, no mínimo, discutídos. Cadê que o mesmo acontece com os homens enquanto gênero? Os PRÓPRIOS HOMENS sequer sabem que têm problemas de gênero!!!

    Concordo com vc Ana quando diz que o principal problema da campanha do câncer de próstata é o preconceito enraizado no homem. Entretanto o governo não parece (até pouco tempo atrás) minimamente interessado em combater esse preconceito, em discutir o problema, como faz com o racismo, homofobia, MISOGINIA e outros tipos de preconceito. Quando vc fala que um bam-bam-bam qualquer morreu de câncer de próstata e o governo perdeu uma oportunidade de discutir o problema, vc está certa. Mas pense: isso iria acontecer se fosse UMA bam-bam-bam que morresse de câncer de mama por causa da falta de prevenção?

    25/07/2010 às 8:06 pm

  64. Rafael Holanda

    Anísio

    Ana está COMPLETAMENTE CERTA quando afirma que “a violência que o homem sofre é muito menos visível justamente porque o próprio modelo machista que legitima a agressão contra as mulheres ridiculariza aquela que é infligida contra os homens”.

    Entretanto, mais uma vez, eu vejo que há muita discussão (completamente necessária) quanto ao “modelo machista que legitima a agressão contra as mulheres” e MUITO POUCA discussão (que também é completamente necessária) quanto ao “modelo machista que ridiculariza aquela que é infligida contra os homens”.

    Na verdade a discussão sobre esse tema é tão pouca que muita gente acha que o problema não existe, ou não é tão grave. É isso que me chateia.

    25/07/2010 às 8:18 pm

  65. Twilight Haters

    Ah, Rafael, então nós estamos perfeitamente de acordo. Concordo que tudo isso precisa ser discutido, e não é justamente porque é mais fácil de se vitimizar a mulher do que o homem. Aliás, o homem aparecer mais na posição de vítima não deixa de ser uma conquista pras mulheres também.

    Agora, como você mesmo disse, só porque o outro lado dessa moeda, que é a violência legitimada pelo preconceito de gênero, não tem a visibilidade que deveria ter; não quer dizer que discutir a violencia contra a mulher seja redundante, ou como foi insinuado por aqui, algo preconceituoso por si só. É isso que me chateia.

    (Anísio)

    25/07/2010 às 8:27 pm

  66. Rafael Holanda

    Anísio

    Discutir a violência contra a mulher nunca foi/é/será redundante, muito menos preconceituosa por si só.

    Apenas faço um apelo para aqueles que lêem estes comentários para que pensem na violência contra a mulher E TAMBÉM na violência contra o homem. Não deixem por isso mesmo.

    E peço desculpas se passei a impressão de achava preconceito discutir a questão pelo lado das mulheres e não pelo dos homens. Só quero que a questão (Violência Doméstica) seja discutida em relação a ambos os gêneros.

    Agora sim. Voltamos a programação normal dos comentários. :)

    25/07/2010 às 8:41 pm

  67. Tammie

    Rafael, em questão de crime contra as mulheres, vou falar mais sobre a área que eu quero trabalhar do que qualquer outra coisa, ok? É uma visão especializada apenas numa única vertente, eu sei, mas é a que eu tenho uma noção melhor, e é melhor do que eu falar merda:

    “Visão ginocêntrica = prestamos mais atenção nos problemas e reclamações das mulheres”

    Em situações de tráfico de mulheres (e crianças também, óbvio, tão grande quanto, mas no momento essa não é parte da discussão) para fins sexuais, o crime é tanto no ponto de vista de um crime contra um ser humano em questão de direito quanto um crime contra uma mulher, gênero.
    A situação é claramente uma sobreposição de dominador x dominado, em que o dominador é, em sua maioria, a figura masculina, portadora da arma e da vida do dominado (no caso a mulher) e que a vende como uma mercadoria, estabelecendo seus preços de compra e venda para grupos menores que depois “mantém o produto” – claro que, entre os milhares de aliciadores, há mulheres, homens e até mesmo mulheres que já participaram disso e hoje são as “matronas” de uma casa de prostituição.
    Mas aí você fala de visão ginocêntrica… Quem exatamente abre um assunto de tráfico sexual (isso tanto o infantil quanto o de mulheres ou homens)? É uma violação contra direitos do ser humano, num caso maior contra a mulher (que em geral é a mais “traficada”) e ninguém comenta, ou o assunto não tem tanto destaque quanto deveria. Mais da metade das pessoas não tem ideia do que se passa realmente, ou acha que isso é uma realidade distante de países pequenos e/ou de estados brasileiros “com menor grau de instrução”, o que é ridiculo de se pensar.
    Nesse caso, onde a maioria prejudicada é feminina, quem dá atenção a elas? Como isso pode ser uma visão ginocêntrica, onde prestamos nossos ouvidos a respeito do caso?
    E, sério, há homens que também são vítimas de tráfico de seres humanos, mas onde todo mundo olha de primeira é no caso da mulher, porque é em maior número e para vários trabalhos além do sexual – apesar desse ser o principal.

    25/07/2010 às 8:50 pm

  68. Twilight Haters

    Eu ainda nem li o comentário da Tammie e não posso fazer isso agora, mas quero dizer já hahahah

    Rafael, o caso de não discutir o caso da violência CONTRA o homem é justamente aquele lenga-lenga de minoria oprimida. Como eu disse meio de idiotice no outro comentário, crianças também cometem crimes horríveis, mas ninguém vai dizer dos crimes cometidos por crianças numa discussão sobre a pedofilia, por exemplo, porque dois meninos de 10 ou 11 anos terem amarrado uma criança de 2 anos num trilho de trem, depois de a espancarem com uma barra de ferro, não diminui o crime do pedófilo e nem transforma em algo mais corriqueiro o crime cometido por crianças contra quem quer que seja. De alguma forma, a vítima maior AINDA é a criança, como NUM GERAL a vítima maior ainda é a mulher.

    O que dá pra perceber nos comentários aqui é que o homem também sofre as consequências do machismo, quando seus problemas não são levados a sério. Eu até concordo com você que certos “problemas de homens” só são vistos da perspectiva da piada, do humor, como o próprio câncer de próstata. Mas aí, há um tempo, eu li um texto da Época do Fábio Hernandez dizendo qualquer coisa sobre o homem ter mais senso de humor do que a mulher porque ele ri da decadência física e dos próprios problemas. Em suma: é o próprio homem que cava isso. E o feminismo, num todo, visa, TAMBÉM, acabar com isso, porque colocar homens e mulheres em situação de igualdade não é transformar a mulher num homem de saia, mas também dar ao homem o que hoje é considerado “coisa de mulher”, como o direito de chorar em público ou não ser ridicularizado se aparecer numa delegacia pra falar “olha, minha mulher me bate com o rolo de macarrão”, porque numa situação de igualdade não existe isso de “eu sou mais forte que você, ok”.

    Então, se a coisa é abordada pelo ponto de vista FEMININO, é porque as primeiras e principais vítimas de uma sociedade machista é a mulher, e isso é… fato. Não é diminuir os problemas que têm os homens. No âmbito que você tá dizendo (e eu concordo), os problemas do homem são frutos da mesma coisa que desencadeia problemas pras mulheres. Só que as mulheres, até segunda ordem, são mais afetadas, e não adianta discutir muito contra isso. Como eu disse num dos comentários respondendo à Narcisa: se um homem passa sem camisa na frente dum beco, ele é só um homem sem camisa na frente dum beco. Se uma mulher passa de minissaia na frente dum beco, ela é uma vagabunda pedindo pra ser estuprada. É um exemplo, é algo que ocorre.

    E aí eu pergunto, pra fechar: se fosse o Bruno ameaçando a Eliza, será que ele estaria morto hoje ou será que ela estaria escondida com algum nome falso? Aliás, até onde sei, o Bruno CHEGOU a ameaçar a Eliza. E quem morreu: ele ou ela?

    Ana

    25/07/2010 às 9:45 pm

  69. Rafael Holanda

    Tammie

    Não sei se entendi direito, mas nas últimas linhas do seu comment vc tenta estabelecer um paralelo entre a situação do tráfico de mulheres com a situação da violência doméstica contra esta. Vou basear minha argumentação na conclusão acima. Se eu entendi errado, por favor me desculpe e desconsidere as palavras abaixo.

    ACHO que esta questão é ginocêntrica porque, utilizando o exemplo do tráfico de seres humanos, a maioria dos esforços para combater o tráfico de seres humanos está tão voltado para o tráfico de mulheres que o tráfico de homens passa impune pelas autoridades. Todas as discussões sobre tal problema focam-se no tráfico das mulheres, e então todas as pessoas, homens e mulheres, tornam-se conscientes do problema. Porém, quanto ao tráfico de homens, devido a nenhuma ou poquíssima discussão produtiva sobre o assunto, coloca-se um certo status de mito sobre o problema, isso em uma expectativa otimista. Em uma pessimista o tráfico de homens seria uma ótima fonte de piadas e inspiraria várias gags do Zorra Total.

    Em se tratando de números, eu sei realmente que as mulheres que mais sofrem com o tráfico de seres humanos e com a violência doméstica. É um problema grave e eu proponho MUITA discussão, MUITA divulgação e medidas MAIS efetivas contra o problema.

    Entretanto eu também não posso esquecer do tráfico de homens e o seu problema com a violência doméstica SÓ PORQUE eles ocorrem em menor quantidade. A estes eu também proponho MUITA discussão, MUITA divulgação e medidas MAIS efetivas contra o problema.

    Não sei se fui claro. Se não fui por favor contacte-me no meu e-mail (acho que vcs já o têm, já que divulgá-lo é necessário para postar comments aqui no blog. E eu também não me sinto bem em colocá-lo aqui no comment. Sorry!).

    25/07/2010 às 9:48 pm

  70. Rafael Holanda

    Ana

    Não posso te responder agora. Estou indo pro banho pq tenho que sair. No mais eu concordo com muito do que vc disse. Só quero fazer um comentário quanto a questão “mulher é a mais afetada pelo machismo”: É verdade. Eu concordo. Entretanto quero lembrar que a mulher, ao mesmo tempo em que é a mais afetada, dispõe de uma coisa que o homem não: a voz. Quando ela fala, a sociedade escuta e quando ela reclama, a sociedade, no mínimo, discute as suas queixas.

    Concordo também quando vc diz que quem causa essa situação “bem-humorada” sobre os problemas do homem é o próprio homem. Entretanto, gostaria de dizer que, aparentemente, toda a sociedade é responsável por essa situação, ou seja, homens e MULHERES. Do jeito que vc colocou tive a impressão (paranóica talvez) de que isso era causado apenas por um gênero.

    No mais eu entendo e concordo.

    Depois eu passo aqui para continuarmos o papo… ou não #caetanoveloso

    Até mais, odiadores de uma hora do dia e tudo de bom pra vcs.

    25/07/2010 às 10:19 pm

  71. Tammie

    Rafael,

    Não, não, eu não quis estabelecer um paralelo entre violência doméstica e tráfico de seres humanos. Na verdade, o que eu quis comentar foi sobre sua visão de ginocentrismo – uma parte de seus comentários me pareceu que o homem é praticamente desprezado enquanto ser humano oprimido por certos acontecimentos, enquanto a mulher é, digamos, supervalorizada. Num todo, quis mostrar sobre o tráfico para dizer que discordo – se fosse ginocentrismo, isso deveria ser uma das questões mais comentadas, o que no caso, não é, nem como crime contra a mulher quanto crime contra a humanidade, mesmo.

    Sobre o tráfico ser ou não uma questão ginocêntrica, não, ele não é. A Polícia Federal (aqui responsável pela apreensão de envolvidos nessa questão) possui um departamento próprio para tratar dos assuntos relacionados ao tráfico de seres humanos. Não de mulheres, não de homens ou crianças. SERES HUMANOS. Eles não vêem uma mulher, um homem, mas um cidadão brasileiro prejudicado por um crime do qual eles são responsáveis por resolver.

    Sobre discussão de tráfico de seres humanos, sejam homens ou mulheres, nenhum deles possui uma gama grande de documentos e discussões a respeito do assunto. E você se engana muito de achar que todo o assunto do tráfico é focado nas mulheres – já foi divulgado artigos sobre homens e crianças que eram levadas para áreas em algum país no Oriente Médio – não lembro qual – que eram utilizados como escravos ou semi-escravos para determinadas obras.

    Assim como existem estudos e estudos sobre homens e adolescentes que são levados para seringueiras e extração de madeira no Brasil, também utilizados da mesma maneira, sobrevivendo de maneira desumana. Até mesmo tráfico de órgãos é considerado como tráfico de seres humanos, sabia? E QUALQUER UM pode se ferrar num caso desses, e ele foi bem divulgado uns quatro ou cinco anos atrás, se não me engano.

    Tráfico é tráfico, e é levado no mesmo patamar para todas as vertentes. Agora, porque há a aparência de que o tráfico de mulheres é o mais divulgado (o que não, ele não é – de novo, as pessoas não entendem sequer metade do que se passa, na realidade)? Porque é o maior, é o que mais trafica mulheres e, hoje, É o mais preocupante.

    Isso não é, de maneira alguma, uma desmoralização da figura masculina ou, como você diz, uma visão ginocêntrica. A questão é, o tráfico humano para fins sexuais é o maior quando comparado com as para trabalho forçado e derivados, ocupando 79% de todo o tráfico humano. E, nesses 79%, a maioria traficadas são mulheres, seguidas de crianças. Homens nessa situação são minoria, e mesmo em artigos que se falam sobre tráfico de mulheres, há menções e menções sobre homens que passaram pelas mesmas situações.

    Para você ter uma ideia de números, o comércio sexual clandestino é o segundo mais rentável do mundo, perdendo apenas para o tráfico de armas – que, de certo modo, se relaciona e muito com o tráfico humano em várias vertentes E com o tráfico de entorpecentes. A prostituição gera um lucro líquido entre 10 e 13 bilhões de dólares por ano para os criminosos, leiloando e vendendo as pessoas em clubes por preços, taxando cada um/uma conforme suas vontades.

    Nisso, 4,5 milhões de mulheres são as vítimas desse tráfico, contrastando com um número beeeem menor de homens traficados para os mesmos fins. No caso do Brasil, as mais prejudicadas são mulheres entre 15 e 25 anos, que, dependendo da região, são vendidas para aliciadores pelos próprios pais!

    Não é questão de visão ginocêntrica (e foi isso qu
    e mais me pegou nos seus comentários, entende? Não concordo com essa história de que todo mundo se volta só para a mulher e o homem é o incapacitado de fazer as coisas), é questão de mostrar qual a vertente que mais acontece. Nesse caso, o que acontece é atinge mais as mulheres.

    25/07/2010 às 11:08 pm

  72. Tammie

    * é o que atinge mais as mulheres.

    25/07/2010 às 11:46 pm

  73. Twilight Haters

    Rafael, o problema de colocar violência contra homem e tráfico de homem e etc de homem no meio e não poder ignorar só porque acontece com menos frequência é que, a menos que o agressor seja uma mulher subjugando um homem, não dá MUITO pra falar em problema de GÊNEROS, especificamente.

    Nem sei se dá pra falar em problema de discriminação por gênero mesmo naquelas situações em que o próprio homem é prejudicado pelo machismo, uma vez que o machismo existe porque existiu a subjugação da mulher em algum momento, e não do homem mais fraco com o homem mais forte.

    O problema aí é que você não pode falar em opressão do opressor, digamos assim, como uma constante e como algo que mereça a mesma visibilidade de, ahn, a opressão do oprimido. Porque nem teria sentido estabelecer essa relação de oprimido X opressor se todos se oprimissem por igual ou se as “opressões” tivessem o mesmo peso, entende?

    É diferente um homem matar outro homem. Não é um problema de gênero, como um negro matar outro negro não caracteriza um problema de racismo. É violência num geral. E a Cisa falou ali atrás algo sobre as mulheres que denunciam falsamente um pai ou um marido só pra levar vantagem e mimimi. Acabou de me ocorrer como isso TAMBÉM é um problema, ahn, antropológico. É engraçado. Eu to fazendo meu trabalho de conclusão de curso com algo que não vou falar o que é pra ninguém copiar porque vai ser projeto de mestrado daqui alguns anos (ou ano que vem HAUHAU) – brincadeira -, mas parte dele envolve relação de gêneros e cultura popular. E o que eu reparei é que são poucos os casos (NO MEU CORPUS DE ANÁLISE ESPECÍFICO LEIAM BEM ESSA PARTE PRA NÃO FALAR MERDA DEPOIS PELAMORDEDEUS) em que a gente vê uma mulher efetivamente violentada ou oprimida, mas, em contrapartida, na maioria deles a mulher ou a figura feminina é a personagem malvada da história. Como se fosse algo característico do gênero ser oportunista, cruel ou, sei lá, jogar praga que pega. E eu tenho pra mim que é desse tipo de crença (meu corpus é muiiiito específico e restrito, mas como meu trabalho é na área da Análise do Discurso e eu assumo pra fazer esse trabalho que o que to lendo ali é o registro do discurso de uma formação ideológica, então é válido assumir como pensamento da época num geral, ainda que o corpus não seja abrangente) foi o que gerou coisas como “mulher é tudo oportunista, só pensa em dinheiro”, e a mulher, MUITA mulher, é criada com essa ideia de que só vai conseguir se dar bem na vida tirando proveito de algum homem, porque é algo muito ideológico AINDA. Então também tem um quê de machismo até nessas concepções. (e, não, eu não vou levar a sério quem disser que o homem não é moldado pelo meio social em que vive porque o princípio maior da minha área -cof- é que você não fala o que pensa nem é o que queria ser, mas sim uma reprodução de tudo o que já passou por você – inclusive o que você diz é mera reprodução da sua educação num geral; então, se é pra contradizer dizendo “eu aprendi assim”, vou pedir pra citar teóricos. Porque eu tenho um monte pra me justificar nesse momento. E to sendo metidinha agora, mas já passou).

    Bom, tá, perdi o foco, respondi muitas coisas ao mesmo tempo e depois vejo o que pode ser remendado.

    Ana

    26/07/2010 às 12:13 am

  74. Hugo

    O caso é que não deve existir violência entre seres humanos, independente de gênero, cor, religião, etc…

    Deveriam existir leis rígidas que englobem a violência em geral, não importando se é um homem batendo numa mulher ou vice e versa.

    Podemos até ter a impressão de que os casos de violência (principalmente do homem contra a mulher) estão aumentando, mas creio que o que está aumentando é a divulgação. Vivemos numa sociedade que foi fundada com uma base machista, que se arrasta por séculos. Arriscaria até em dizer que os casos de violência contra mulheres até diminuiram, principalmente pelas leis que punem os agressores.

    Um mundo pacífico é utopia, e isso é uma triste constatação.

    26/07/2010 às 12:39 am

  75. Mag_eu

    eii galera venho me desculpaa por que aquele primeirooo comentariooo naa fui eu que escrevi…eu juro naoo tenho nada contra o site por que do mesmo modo q nao odeio a saga tambem naoo gosto. entao por favor eu pesso que me perdoem e naoo fui eu que escrevi, eu sei que muita gente nao vai acredita em mim mas eu estou dizendo a verdade!
    obrigado se entenderem!

    27/07/2010 às 9:57 pm

  76. eu sei que este assunto é serio e eu respeito muito, não quero desmerecer a autora do blog e saibam que eu gostei muito do post.,
    mas poxa, estou sentindo falta dos posts bem humorados, das ripagens e das outras marcas que fizeram o twilight haters!!!
    Agosto está chegando e, sei que muitos de voces estudam e nao tem tempo para o blog, mas agradeceria se ao menos fizessem um esforço.
    e tenho certeza que muita gente que segue o blog, porem, nao comenta, tambem sente falta disso.

    28/07/2010 às 6:22 pm

  77. likeabutterfly

    Acompanhei a discussão nos comentários e devo acrescentar outra coisa (já que mais gente concordou comigo posteriormente): o machismo,no fundo, faz tão mal para os homens quanto para nós mulheres.

    Hoje ouvi sobre um caso de estupro mulher x homem, de uma mulher que manteve um cara amarrado na cama por dois, três dias, que nem em Alejandro e tal (quando encontrado, este estava com inúmeras lesões genitais, como é de se esperar) – claro que este rapaz, além do trauma da violência, foi ridicularizado pela polícia na ocasião. Vocês vão me dizer, “casos assim são raros”. Claro que sim. Mas coisa “mais leve” acontece por aí, e em grande quantidade: garotos vítimas de bullying por terem mais amigas que amigos, por preferirem não iniciar sua atividade sexual precocemente ou por escolherem hobbies ou mesmo profissões “femininas”, como dança, enfermagem ou mesmo a atividade doméstica e o cuidado de crianças. Sim, os homens “do lar” existem, alguns até trabalham como diaristas, mas a contratação é baixa. Justamente porque os homens têm esse estigma da violência, desorganização e maior ‘propensão’ ao papel de abusador.

    Ou seja, não é irracional até para eles se manterem em tal posição?

    03/08/2010 às 6:10 pm

  78. Twilight Haters

    likeabutterfly, eu não discordo de você.

    O machismo faz mal pra homem também, sim, e acho até que eu disse isso em algum momento. Então nem tem o que repetir…

    Mas tá, hahahaha, só porque achei graça, achei dois textos no site do PSTU (não, não sou partidária do PSTU) abordando o tema exatamente do mesmo jeito que abordei. Fico feliz de saber que não to (tão) doida de estar enxergando coisa que nunca existiu e blá blá blá.

    Ana

    04/08/2010 às 12:14 am

  79. Nathália Cullen

    Oi haters.
    Acho que pelo meu nome, vocês já devem imaginar que sou uma lover. E sim, eu sou uma lover.
    Enfim, acho que a Yasmin perdeu a linha e não é assim que as coisas funcionam.
    Cada um tem a sua opinião.
    Só digo uma coisa…
    se vocês não gostam da saga, então por que a criticam?
    Caramba, eu não me conformo.
    Em vez de vocês evoluirem pelas coisas que vocês são inspiradas e gostam, vocês criticam e perdem o tempo chingando a saga.
    Vocês sabem muito bem que vocês não irão ganhar nada com isso.
    Então por que ficar perdendo o tempo aqui, chingando Twilight?
    Olha, Ana, acho seu post super legal, mas não tem tanto a ver com twilight, então pq vc não pega toda esse seu talento de cirticar alguns assuntos e faz um blog que não mexa com algo tão querido e amado por tanta gente?
    Chingando twilight vc não conseguirá “revolucionar”, mas com textos assim você PODE SIM mostrar que tem capacidade de fazer algo sem criticar uma serie que para você não tem valor nenhum! /ou pelo menos finge que não tem.
    Olha, sei que meu comentario não vai ajudar em nada aqui, mas pense um pouco, veja como vc perde tempo chingando twilight e perde tempo para fazer algo que possa sim melhorar seus blogs e tudo mais!
    Desculpe, sei que vocês irão me chingar por estar aqui interferindo a conversa de vocês, mas eu queria um pouco de respeito, se for possivel.
    Obrigada por lerem esse comentario.
    Bye Haters.

    06/08/2010 às 1:01 am

  80. Nathália Cullen

    AHH, já ia me esquecendo.
    #sangueverde

    06/08/2010 às 1:02 am

  81. Nathália Cullen

    Gente, ficou meio confuso o meu comentario né? Mas na parte que eu disse que disse que a Ana devia pegar esse talento e fazer um blog revolucionario eu quis dizer que ela deveria pegar esses tipos de blog que ELA ACHA SER CERTO E GOSTA DISSO, esse tipo de critica é bem diferente do que chingar twilight!

    06/08/2010 às 1:05 am

  82. Twilight Haters

    Nathalia, eu vou ignorar a parte que você fala sobre perder tempo e fazer alguma coisa que a gente gosta e blá blá blá porque no post imediatamente abaixo a este já tá rolando uma discussão eterna sobre isso e eu poderia ser bem sem educação porque não aguento mais falar sobre essas coisas, mas não quero porque to na paz de Jah agora.

    Enfim.

    Eu até tinha um blog meu pra tratar assuntos nada a ver com Twilight, mas por conta de problemas no meu mundo de pôneis precisei excluí-lo (como disse no post). De toda forma, um blog meu é um espaço pequeno, já que eu não sou o PC Siqueira, o Felipe Neto ou qualquer um assim, que é bem pop na internet, entende? Acho até que tem leitor fiel aqui do blog que nem deve saber que tem uma Ana na equipe. Enfim de novo. Postar esse texto aqui teria um alcance muito maior do que em qualquer outro lugar a que eu tivesse acesso, saca? Mais gente chega aqui, mais gente lê, até rola mais discussão, mas é mais gente pensando sobre. Então é só por isso que ele foi postado aqui, como foram postadas outras duas vezes algumas considerações sobre coisas que não têm nada a ver com Twilight, e talvez aconteçam outras vezes.

    Não sei se é pelo nosso entendimento de mundo ou o que, mas a gente nem cogita achar que pessoas vão ler esses textos mais sérios e enfiar tudo no mesmo balaio. Ainda que a gente se empenhe um pouco nas “análises” de Twilight (que acredito que seja o que te incomoda), elas ainda entram no cunho “brincadeira” que o blog tem pra gente, e esses outros textos já fogem mto disso. E a gente espera que as pessoas tenham discernimento pra fazer a leitura deles, entendam que esses momentos são a hora de falar sério e que é a gente falando como ser humano, e não como, sei lá, “um desocupado virtual querendo xingar a Meyer”. O lance é só o alcance que isso tem aqui e em outro lugar. =P

    Ana

    06/08/2010 às 2:12 am

  83. Nathália Cullen

    Obrigada por ter me dado atenção, Ana. E por ser educada./ainda bem que vc está com a paz hj, rs. não quero brigas aqui.
    Ah, entendi.
    Então você coloca tudo isso de uma forma divertida,e então aproveita e mostra que pode discutir sobre assuntos descentes, que as pessoas não gostam em excesso, mas que de vez em quando faz bem, tudo bem, cada um com sua opinião.
    Talvez eu volte para comentar sobre os poucos assuntos fora de Twilight aqui, :D’ (os interessantes para mim)
    Bye Haters
    #sangueverde

    06/08/2010 às 8:54 pm

  84. Nathália Cullen

    Hm! Como sempre, eu já estava esquecendo de outra coisa.. na verdade uma pergunta.
    Como no debate MTV o Lobão não calava a boca e nem deixou as pessoas responderem as perguntas, eu queria saber se posso participar dos posts que xingam a saga, e sei lá, mostrar o que acho disso, e agente pode pelo menos discutir melhor sem o Lobão interferir toda hora, kkk’
    Se você achar que isso irá prejudicar o blog me responde, eu sou a intrusa, então se você não quiser eu aceito de boa.
    Bye Haters.

    06/08/2010 às 8:59 pm

  85. Twilight Haters

    Bom, eu sei que a pergunta foi pra Ana (a dona do post e quem te respondeu antes), mas como eu fui no Debate, eu meio que tomei a liberdade de responder: por mim, tudo bem. Vai ser algo interessante!

    Lily

    06/08/2010 às 9:13 pm

  86. Twilight Haters

    Não só pode como deve, Nathália. Discutir a série com fãs é super divertido. O problema é discutir a nossa vida pessoal, mesmo, e a forma que gerenciamos o nosso tempo. Isso é um saco.

    (Anísio)

    06/08/2010 às 9:59 pm

  87. Nathália Cullen

    Obrigada Lily e Anísio, no proximo post eu comento, certo?
    :D
    Isso vai ser suuper divertido. kk’
    ;* Bye Haters

    06/08/2010 às 11:01 pm

  88. Line

    “likeabutterfly” está certa!

    O preconceito de gênero (até porque não é só o machismo que é xiita) os homens também são prejudicados. Uma coisa que me irrita é “isolar por preferirem não iniciar sua atividade sexual precocemente” até porque a verdadeira liberdade é você fazer sexo ou não quando estiver pronto e lhe for conveniente e não por “prova de masculinidade” ou pressão dos amigos.

    Há um bom tempo, li na “Veja” uma entrevista com um psicológo que atualmente os homens têm dificuldade de discernir o seu papel e importância na sociedade contemporânea.
    E antes o homem deveria ter coragem e honra a seu local e á sua família, infelizmente eles acham que “ser homem” está medido no número de mulheres que eles têm que no seu caráter. Virou indiretamente um “diga-me com quantas mulheres que tu teve que lhe direis quem és”, um neo-machismo que prejudica o próprio homem e seu próprio valor.

    Pior é que até mulheres sofrem um pouco disso também, de serem chamadas de “antiquadas”, “caretas” ou “imbecis sem noção” que só porque não querem beijar vários numa festa ou não estão prontas nem para namorar ou transar ainda, começam a serem chamadas de frígidas ou até “lesbicas dentro do armário”…

    Os valores estão invertidos infelizmente… mas acho que vai demorar bastante para o ser humano ter idéia dos direitos que ele tem pois na prática é muito mais difícil que se imagina e não acredito que seja num período de curto prazo que isso vai ocorrer…

    10/08/2010 às 12:02 pm

  89. Twilight Haters

    Bom, Line, eu acho que o problema dessa declaração desse psicólogo da Veja já começa em “homens terem dificuldade pra discernir seu papel na sociedade”. O ideal seria que parasse essa ladainha de “papel de homem, papel de mulher”. Ainda ontem bati boca com o meu pai por causa dessa merda de discurso de “papéis do homem e da mulher”.

    Seria mais decente se todo mundo se entendesse como ser humano. Sem essa de que algo compete ao homem, algo compete à mulher e um PRECISA do outro pra suprir o que não é do seu. Digo, é o tipo de coisa que fazia sentido quando a gente vivia “na raça”, e não com carros, roupas, armas de fogo e tudo mais. A gente criou meios, muitos, pra viver sem precisar de força física, velocidade, tamanho, etc, logo os papéis definidos num passado pela preservação da espécie pautado nessas, ahn, necessidades, não fazem mais sentido.

    O difícil é fazer o mundo entender isso. ¬¬

    Ana

    10/08/2010 às 12:58 pm

  90. Twilight Haters

    Não, Line, não é só o machismo que é xiita. Aliás, o pior tipo de machismo é aquele que é velado, e que usa de subterfúgio pra oprimir os outros. O machismo tem essa vantagem, em comparação com o femismo (mulheres que se acham superiores aos homens, e que ao contrário das feministas, não querem igualdade): ele tá muito mais enraizado e é muito mais reproduzido como modelo de comportamento na nossa sociedade. Acho pior que ser xiita, não?

    Agora, acho interessante como você fala em “valores invertidos” e “papel do homem na sociedade”, e tudo me parece muito abstrato e esquisito. Quais seriam, pra você, os valores de uma sociedade ideal? E qual seria o papel social do homem? E o da mulher?

    (Anísio)

    12/08/2010 às 2:16 pm

  91. Daniel

    ooow, tal de “euu porra”? .. tá .. que seje.. antes de CRITICAR.. aprenda a escrever DIREITO… ninguém aqui é OBRIGADO a ler? ler não! DECODIFICAR seus post’s.

    ooow tal de Yasmin, não duvido muito que seja um fake.. mas isso não vem ao caso, MEU AMOR, aqui discutimos NOSSAS OPINIÕES, se você não concorda com a gente.. se mata (brincadeirinha, pessoas como vc com certeza fariam isso né… :x) enfim, antes de CRITICAR, LEIA todo o CONTEÚDO do BLOG, e entenda PORQUE nós existimos… e OBVIAMENTE continuamos (: acho que todo mundo aqui no Brasil, e em todo o lugar do MUNDO! tem que ser respeitado por suas devidas opniões… não venha nos criticar,falando que isso é perda de tempo e tal, aliás, você queridinha, nem conhece a nossa vida, então se manca e sai fora, perda de tempo é tu tatu (:p adoro escrever isso) que vem ai por acaso no galinheiro dos outros roubar galinhas :S tá, mei confuso né… tudo bem… Se você tem um mínimo de amor a sua vida, ou melhor a twilight, aprenda a viver com as diferenças! é isso o que nós fazemos, apenas expomos nossas idéias… não gostou? aah! você sobrevive não é? aah, e não tenta dar uma de psicóloga nãao hein!.. tá muito longe disso com as suas…PALAVRAS… pra não dizer outra coisa… ;P

    E ana, da equipe Hater, parabéns pela atitude de postar algo tão sério e tão vivido em nosso cotidiano!

    deus vos ajude… PS: eu rio de vocês.. Não…excluam tudo o que eu escrevi ai em cima! Continuem com o show trágico, dramático e patético.. eu me divirto!

    19/08/2010 às 12:00 pm

  92. Daniel

    “Olha, Ana, acho seu post super legal, mas não tem tanto a ver com twilight, então pq vc não pega toda esse seu talento de cirticar alguns assuntos e faz um blog que não mexa com algo tão querido e amado por tanta gente?” .. Falo a MESMA COISA pra você Nathália Cullen.. (?) por que você não usa esse seu “talento” petulante de criticar alguns assuntos que mexam com algo que é tão odiado, e odiado por nós haters e vá seilá, participar de um debate na MTV?

    19/08/2010 às 12:06 pm

  93. Line

    “Seria mais decente se todo mundo se entendesse como ser humano. Sem essa de que algo compete ao homem, algo compete à mulher e um PRECISA do outro pra suprir o que não é do seu. Digo, é o tipo de coisa que fazia sentido quando a gente vivia “na raça”, e não com carros, roupas, armas de fogo e tudo mais. A gente criou meios, muitos, pra viver sem precisar de força física, velocidade, tamanho, etc, logo os papéis definidos num passado pela preservação da espécie pautado nessas, ahn, necessidades, não fazem mais sentido.

    O difícil é fazer o mundo entender isso. ¬¬”

    Tens toda a razão, Ana. A questão é o ser humano cumprir seus papéis diferentes independentemente do sexo. Não é a exigência de “como és forte tem que fazer trabalho braçal e bada mais”, vai muito além disso, o trabalho em sociedade é a cooperação, cada um faz sua parte para haver o equilíbrio.

    Não estou dando uma de idealista, apenas estou dizendo é: pensar nos valores e papéis do ser humano e não “do homem” e ‘da mulher” em si. Realmente fica confuso nesse mundo contemporâneo onde muitas mudanças ocorreram, Ana. Mas acredito que como você falou, quando o mundo perceber que não se tratam de seguir para necessidades… talvez fique mais compreensível, pelo menos.

    29/08/2010 às 6:06 pm

  94. LiNiNhàáh

    Bom, eu não sei como consegui ficar tanto tempo longe do blog e sem querer eu perdi esse post da Ana que devo dizer está bem feito e me faz realmente refletir. Eu tentei ler todos os comentários, mas só me prendi nas discussões a partir da Venenosa e é por isso que resolvi comentar.

    Eu não sou adulta, fato, também não vivi ou passei por dificuldades pesadas por gênero, embora não possa dizer que nunca sofri uma “dificuldade” por ser uma garota e isso vai desde não poder completar o time de futebol porque só tem meninos e menina se machuca ou por não poder ajudar a enfeitar a escola porque menino leva mais jeito naquilo ou nisso. Eu deixaria tudo isso passar, mas agora comecei a pensar se isso não é machismo.

    Não posso dizer que entendi tudo que a Ana quis passar com o post ou que os comentários do Anísio, da Vene, da Cisa, do Rafael, etc, quiseram dizer, mas bem, essa é a minha visão do fator.

    Começando pelo machismo, o machismo é algo antigo, desde a era das cavernas a mulher é colocada em um cargo menor que o homem e nós do sexo feminino devemos ter a consciência de que certas coisas as mulheres não podem fazer e a mesma coisa para os homens. Então, eu vejo dois tipos de machismo, o sem fundamento e o com fundamento, não aprovo nenhum dos dois, claro, mas não vejo com maus olhos um rapaz ter o pensamento que “A mulher não pode ser mecânica porque somente o homem sabe mexer com carros.” isso, talvez, não seja nem culpa dele, pois é algo enraizado na cultura e na moral popular e a única forma de mudar esses pensamentos é mostrar que a mulher é capaz, sim, de concertar um carro tão ou mais eficiente que um homem qualquer.

    Agora, sobre a violência, bem, eu não entendo o sentimento de uma mulher agredida, na verdade, eu sinto muita revolta por essa mulher “não fazer nada”, mas como ela pode fazer algo se aqueles que deveriam ajudar não cumprem seu papel? Como, uma moça, ela já foi agredida pelo marido, eu presenciei isso, e ela foi atrás, foi na delegacia da mulher e mesmo não havendo a Lei Maria da Penha na época a própria DELEGACIA PARA A MULHER não fez NADA! (E isso ocorre até hoje, mesmo com a lei) Ela só conseguiu colocar o marido no lugar após agredi-lo na frente de todos e devolver todos os tapas que ele havia dado nela.

    Mas demorou muito até lá e grande parte disso foi o próprio machismo das mulheres e a esperança de vê-lo mudar.

    A própria mulher tem o pensamento que não pode ir contra o marido porque ele é o homem da casa, e não importa se ela trabalha, se é independente, se sustenta a casa, esse pensamento continua nela pois foi passado provavelmente pela mãe dela.

    Então eu fico um pouco confusa se a causa real do problema é somente o homem e a lei pouco eficiente. Porque acredito que as próprias mulheres devem mudar. Como, o pensamento de que por ser uma chantagista a Eliza deveria morrer, é machista, e muitas vezes ele é tratado pelo sexo feminino como algo normal.

    “Ela era uma mulher que queria dar o bote, ah, merecia morrer mesmo.” escutei uma colega de sala dizer isso…

    Não que eu realmente tenha tido pena da Eliza, acho o caso uma verdadeira piada pela falta de clareza nele, mas eu me coloco no lugar dela e fico pensando se mais errado do que ela chantagiar não é o Bruno ou seja lá quem mata-la por isso e de forma cruél.

    O pior é que em casos como estupro é ainda mais grave, uma garota estuprada é ingnorada pelas outras garotas e é julgada como fácil, e é absurdo, porque ela foi ESTUPRADA! E pensam até hoje que foi porque ela QUIS!

    Então eu acho que muitas vezes as próprias mulheres também tem cukpa, com seu próprio machismo.

    Bem, eu já falei demais e acho que não fui muito feliz… Mas bem, acho que é só isso que eu queria dizer, espero não ter me expressado mal ou algo do tipo, porque todos os exemplos que eu dei lá em ciam eu já presenciei, embora o caso do estupro tenha ocorrido não diretamente comigo, mas que eu convivi.

    14/09/2010 às 7:52 pm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s