2 Anos trazendo a lógica!!

“Nunca antes na história deste país…”

Pois é. E eu achando que só apareceria aqui de novo em janeiro do ano que vem, trazendo um post sobre a parte dois de “QUEM é melhor que EdCu e Bella Swan”. Contudo, em vista das notícias recebidas no dia de hoje, e com a permissão da Lily – única da equipe que estava comunicável no momento – resolvi deixar a Física de lado por alguns minutos e dar a minha opinião sobre essa situação.

Ah, é a Tamara, para quem se perguntava “Mas quem é essa agora?”

Para quem não sabe, a maior parte da equipe já está na universidade e blá blá blá, salvo algumas exceções, que ainda estão no colégio ou, como é o meu caso, no cursinho, batalhando por uma vaga em alguma instituição de ensino com renome.

Para quem não sabe [2], a rotina de um vestibulando é uma das mais pesadas, em relação aos estudos, apesar de sermos considerados pelo governo, de uma maneira geral, como os “vagabundos” e não temos alguns privilégios como desconto na carteirinha do ônibus – que, por acaso, somos uns dos que mais usufruem, porque muitas vezes temos que ir e voltar de metrô e ônibus para o cursinho de sábado e domingo, em horários que grande parte dos alunos de colégio ainda está dormindo -, porque já terminamos o Ensino Médio, muitos ainda não trabalham, e não estamos inseridos (ainda) em nenhum curso superior.

Acordamos cedo, dormimos tarde, estudamos horas e horas a fio, perdemos festas, perdemos saídas, perdemos vida social, perdemos  muitas vezes até o bom humor e a vontade de conversar. Ao final do ano, muitos simplesmente não conseguem nem mais arrumar um assunto que seja diferente de “vestibular x no dia y”, ou olhar para uma pessoa andando e calcular a velocidade relativa da mesma, ou questionar a quantidade de energia gasta para realizar aquele trabalho. Vivemos para isso, focando apenas no momento em que uma prova irá determinar se todo o sacrifício anual (ou semestral) que fizemos vale ou não a pena.

Acho que todo mundo sabe que 2009 foi um ano de inúmeras (e bruscas, para não dizer “do nada”) mudanças no sistema de muitos vestibulares brasileiros. A UNESP, por exemplo, mudou seu método de avaliação por um parecido com o da FUVEST (duas fases, noventa questões a primeira fase, blá blá blá), com o diferencial de cobrar também questões de sociologia, educação física e filosofia em seu conteúdo – embora sociologia e filosofia sejam matérias muitas vezes não ensinadas em muitos colégios (o meu incluso, que possuía Filosofia como matéria opcional). E nem vou falar sobre teoria de educação física, obrigada; a FUVEST mudou seu modelo da segunda fase: cobrar todas as matérias em 20 questões num segundo dia de prova escrita (o primeiro seria português e redação, como sempre) e, apenas num terceiro dia, cobrar as específicas todas juntas (e incluo minha indignação de incluir MATEMÁTICA como específica para um curso de DIREITO, bjs).

Entre as inúmeras mudanças ocorridas do nada em 2009, deve-se acrescentar a ideia imbecil brilhante de transformar o ENEM em uma espécie de vestibular unificado, onde o estudante não precisaria mais fazer “n!” provas para ingressar em “(n-1)!” universidades. Inicialmente, parecia bom até, ainda mais para pessoas que prestam várias provas em vários lugares – tomando minha pessoa como exemplo, de novo, em novembro faço provas em Minas Gerais, Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Brasília – mesmo que o ENEM não fosse exatamente um tipo de prova conhecido pela sua dificuldade e capacidade de avaliar realmente um aluno, enfim.

De novo, a ideia parecia boa… Até que o MEC decidiu divulgar vários exercícios que seguiriam o modelo do “novo ENEM”. Qual não foi a surpresa que aquela merda prova seria praticamente o mesmo ENEM de sempre, só que agora com 180 questões, aplicadas em dois dias?

A reclamação já começou aí. Uma prova que não é, nem de longe, referencial para avaliar e selecionar alunos, mantendo o mesmo modelo de “questões putamente longas” que vencem o candidato pelo cansaço e não pelo grau do que sabe ou não sabe, seria a primeira fase (e, em muitas, O vestibular) de inúmeras universidades? 180 questões no modelo cansativo das então 63 questões, em dois dias, MAIS uma redação? Vários professores, coordenadores de cursos e zaz de importância para a mídia avaliaram a prova, onde a maioria sempre dizia a mesma coisa: Esse ENEM não serve para substituir os vestibulares.

Mas tudo bem, a reclamação parou por aí. Afinal, brasileiro que é brasileiro aprendeu a acreditar que os problemas do Brasil serão resolvidos pelo governo (porque, apesar de corrupto, “rouba, mas faz”) – e isso nem é culpa nossa, é só ver na História. Fomos “adestrados” assim – e que nós poderíamos continuar sentados em nossas confortáveis cadeirinhas apenas pensando “eles vão fazer algo descente, vai dar tudo certo, vai melhorar”.

Afinal, somos “o país do futuro”, né?

E hoje sai exatamente o quê no Estado de São Paulo?

ENEM cancelado – MEC aplicará prova em período de 45 dias – fraude – (…)

ENEM cancelado. A mesma prova que substituiria 24 vestibulares de 24 instituições de ensino superior. A mesma prova pelo qual estudantes estavam ansiosos (não num sentido positivo) para fazer, seja para ganhar pontos na FUVEST/UNICAMP/UNESP seja para ingressar na Universidade, como é o caso da UNIFESP em vários cursos.

O problema não é uma prova ser cancelada… Não, mentira, é um problema. A questão é que isso é agravado ainda mais em um ano que grandes vestibulares resolveram mudar seu critério de avaliação, PARA JUSTAMENTE ESSE ANO, e não os próximos, possibilitando aos estudantes tempo de ajuste de segurança para o que vão enfrentar. Isso é agravado ainda mais em um ano que o próprio ENEM resolve mudar, causando alarde em jornais e revistas por MESES, ferrando ainda mais com a cabeça dos estudantes, deixando-os ainda mais preocupados com o que os – NOS – aguardava.

Quero dizer, que tipo de piada é essa? Já não basta o país em si ser uma piada, agora vai transformar o método de ingresso para institutos de ensino superior – onde vários destes possuem excelência internacional – em mais uma delas? Já não bastava o Brasil ser conhecido como um país de grande potencial só que com governantes corruptos e cara-de-pau, que não se importa que o povo saiba de seus podres porque “vão ser eleitos mesmo assim”?  Já não basta a conformação dos brasileiros com o que acontece na vida política de seu país, sem perceber que com pequenas atitudes suas pode-se mudar uma realidade? Já não basta pagarmos saúde e educação duas vezes, já que o dinheiro dos impostos é desviado para o bolso dos políticos que nós mesmos elegemos, e somos então obrigados a procurar por planos de saúde e escolas privadas?

Vários países usam o vestibular como método de ingresso –apenas mudam o fucking nome -, e esse tipo de putaria palhaçada nunca aconteceu ali! Que tipo de incompetência é essa, de deixar uma prova vazar? E antes que venham defender o MEC, ou qualquer coisa do tipo, deixe-me colocar algo bem claro: em uma das provas do ENEM que fiz, em 2007, o responsável pela prova era o CESPE/UnB. Para quem não conhece, é o mesmo que organiza o vestibular da UnB (Dugh) e o concurso da Polícia Federal – tipo, só o concurso mais concorrido do país. A prova para agente e escrivão da PF foi em 13 do mês passado, e alguém ouviu alguma coisa do tipo? Existiu alguma fraude? Alguma falta de organização e mostra de completa incompetência, como foi mostrado pelo MEC o ano inteiro?

É, pois é. Isso porque eu nem comecei – e nem irei – falar sobre o fato do MEC ainda querer lançar o ENEM com novas questões em 45 (ou 60) dias. A prova já estava um lixo com quase dez meses de preparo. O que será em quarenta e cinco dias? Não apenas isso, mas ele quer que o ENEM seja… No dia da UNICAMP? No dia da UEL? Puuuxa! O ano não poderia ser o melhor para os vestibulandos!

E em 60 dias? UFJF!

A questão é que a incompetência e completa falta de educação para os vestibulandos estão no limite. Mudam tudo, não dão tempo de adaptação, alguns mal sabem o que estão fazendo, e ainda meio mundo espera que você passe no vestibular, lá na USP – ou em qualquer outra universidade estadual/federal concorrida – porque, afinal, você estuda há quase um ano num cursinho? Não seria mais fácil anunciar tais mudanças para os anos posteriores, neste ano? Não seria mais fácil montar, estruturar tudo antes de anunciar que prova x substituiria o vestibular hoje conhecido? Não seria mais fácil possuir certo respeito pelas pessoas que estudam e precisam que o dia da prova seja o mais confortável possível, com uma prova já conhecida aos olhos, trazendo assim segurança ao aluno?

Não, claro que não. Não num país sério e de altos valores e princípios como o Brasil. Ou, pelo menos, com quem dita as normas por aqui.

Tamara

Anúncios

57 Respostas

  1. Marie / Kisa

    Nossa, Tama. Nossa.

    Nem comento nada da putaria q foi tudo isso. Eu não acompanhei o q aconteceu, as mudanças e tal, pq como vc disse, eu já estou na universidade. Mas, me colocando na tua situação, realmente é revoltante.

    Mas eu super me senti ofendidinha por fazer faculdade particular ahsuasauss

    01/10/2009 às 6:41 pm

  2. Jéssica Laine

    hum

    01/10/2009 às 6:55 pm

  3. Dannie

    Eu ainda estou no segundo ano do médio e só presto vestibular pra valer ano que vem. Mas entendo o que você quer dizer, msm pq eu tenho mtus amigos que estão no terceiro e no cursinho, além de todo aquele povo no segundo ano que presta pra treineiro. E ISSO É A MAIOR PUTARIA. E dai você chega de manhã na escola sem saber de nada, entra seu amigo na sala e diz “O ENEM foi cancelado”. Oi, eu estou no 2 ano, mas eu já penso no futuro. Quero passar em Medicina, UNICAMP de preferencia e não ia só prestar o ENEM, mas tbm a Unicamp e a Fuvest. A putaria disso começou mundando assim, do NADA e MUDANÇAS PRA AGORA, SEM AVISO NENHUM. Pra variar uma cópia mal feita do modelo americano. (e qual é a novidade? O Brasil SÓ SABE fazer cópias mal feitas de outros países. Vide “Parlamento as Avessas”, Segundo Reinado). E quem duvida que o tal “banco de questões” que estão falando que vão usar para fazer a segunda prova, são as questões do ENEM antigo? E vão usar para selecionar alunos para as universidades. Do jeito que está, não duvide se cancelaram todas as mudanças ano que vem ou mesmo esse ano. Eu já não duvido mais de nada.

    01/10/2009 às 6:56 pm

  4. Veh

    Quando vi isso, numa comunidade do Orkut (a notícia, não o post da Tamara) fiquei tipo “o_o WTF?!”

    Já não basta para os vestibulandos terem vestibular novo, aulas adiadas por causa da gripe A (ou seja, menos aulas) e agora isso?!

    E, esse país que nós moramos nem se importa conosco. Caso eles não se lembram, somos nós – os jovens – que vão votar ou não neles, no futuro.

    01/10/2009 às 9:01 pm

  5. Twilight Haters

    Como (infelizmente) eu to praticamente na área da Educação, acompanho tuuuudo isso…

    E eu concordo que é uma palhaçada, sim.
    Na verdade, eu acredito que provas do Enem vazarem não deve ser lá novidade, o negócio é que ninguém nunca se importou com isso antes porque Enem sempre foi piada. Pelo menos na escola onde estudei, poucos levavam REALMENTE a sério. Só que aí mudou, os vestibulares agora têm Enem como processo seletivo – alguns sabem que eu presto Unicamp esse ano, maaaas minha vontade era prestar UFSCar e não posso porque não fiz inscrição pro Enem, que agora é obrigatório pra São Carlos -, pra mim as faculdades ficaram mais em cima… pode ser, pode não ser.

    Na verdade, se começar a falar de todos os problemas de educação básica e superior no país, começo hoje e termino amanhã só pra relatar as MINHAS vivências nesses anos de faculdade. Pra relatar dados de pesquisas e o resto, fico até semana que vem. Não que seja novidade pra alguém, mas a gente só sente o tamanho da meleca quando vivencia. Seja mudando a data de uma prova como o Enem, seja estando na escola em situação diferente da de aluno…

    Mas eu super me senti ofendidinha por fazer faculdade particular [2]

    Eeee meus dedos coçaram e não resisti, preciso discordar muito do comentário da menina aí, falando que tudo no Brasil é cópia mal feita de tudo o que vem de fora. Sei de todos os problemas do Brasil, sim. Sei que, se pensar em política, pouca coisa aqui é digna de orgulho. Sei que funciona nessa do pão-e-circo. Se se refere exclusivamente à política, especifique. Porque o país NÃO É nenhuma merda. Certo que eu sou tipo nacionalista xiita e pagaria passagem pra todo mundo que acha que o Brasil não merece a si mesmo (a frase ficou estranha, mas dá pra entender), mas ainda que não fosse, saberia reconhecer todo o lado bom do país. Enfim, não é o assunto do post, desculpa desviar, mas eu REALMENTE me ofendo quando falam coisa do tipo.

    01/10/2009 às 9:01 pm

  6. Twilight Haters

    Ok (estala os dedos, porque esse comentário vai ser COMPRIDO)

    Quem vos fala aqui, nesse momento, não é a Lily hater. Bem, até tem um pouco dela, mas terá muito mais da Letícia Andrade jornalista, mas, sobretudo, da Letícia Brito, professora de cursinho pré-vestibular que tá realmente chateada com isso tudo.

    Primeiro, a jornalista: ok, eu tenho que, antes de tudo, parabenizar a ação do Estado de São Paulo que publicou a matéria e verificou a veracidade da prova antes de qualquer coisa. Em dias que se prega a ética do jornalismo, e alguns parecem desviar do caminho, é bom ver que um veículo grande não foi afobado em publicar a notícia assim que ouviu a denúncia. Mais do que isso: que soube apurar com exatidão a dimensão do caso, e não se submeteu às chantagens dos denunciantes, e lançou a matéria o mais rápido que pode, porém com responsabilidade. Estadão, parabéns.

    Agora, a professora. E essa vai demorar:

    Sério, eu não sei o que o governo brasileiro espera da juventude estudantil. Além de não tratar os alunos com o devido respeito que merecem, criando condições terríveis de estudo, um ensino precário e pouca qualificação/valorização dos professores, ainda somos obrigados a ver o descaso do MEC em relação ao ENEM. Digam o que quiser, mas o MEC tem culpa SIM nessa história toda. Como um órgão de âmbito federal, responsável por um exame que serve não só como vestibular para diversas instituições, mas como bônus para muitas outras, consegue PERMITIR uma fraude dessas? Independente das versões que já especulam do caso (que vai desde puro extelionato em cima do Estadão, até um golpe do próprio funcionário do MEC apenas para derrubar o Fernando Haddad), acho que o MEC/Inep deveria ter maior consideração com os alunos que farão seu tão amado Exame do Ensino Médio. Coisa que eles não vem tendo há muito tempo. A começar pelo nível da prova, que existe mais para fornecer um dado positivo ao Brasil e que possa ser mostrado lá fora do que um real avaliador do Ensino Médio brasileiro (e isso explica porque a prova é risível de tão babaca, exatamente para que todos possam fazer sem problemas, e esconder, de maneira muito canalha, o ensino médio pobre que temos em nosso país, que não consegue resolver questões de dificuldades médias, ao menos). Depois, com essa mudança radical, completamente fora da realidade, que exige de um aluno, EM OUTUBRO (ou seja, de um aluno cansado e que começa a passar pelos processos seletivos torturantes do vestibular) a capacidade física e mental de resolver uma prova de 90 questões em um dia e mais uma de iguais 90 questões mais a redação no segundo, tornando a coisa humanamente sofrível. Para completar, se não basta o medo do aluno, como a Tamara colocou, eles soltam um simulado com QUATRO MESES DE ATRASO na internet, e que, quando sai, contém somente 45 questões (ou seja, não consegue preparar o aluno fisicamente para a prova de verdade), sendo que todas apresentam um nível muito abaixo do que dizem que irão cobrar. Por fim, o descuido com um documento tão importante, que foi facilmente manipulado e usado, de maneira muito infame, por um oportunista sobre a população brasileira, exigindo 500 mil reais de um meio de comunicação que nada tinha com isso. Agora, temos 4 milhões de alunos desesperados, inseguros e incertos sobre a nova data da prova. E o pior: o MEC sequer dá certeza de quantos dias será o adiamento. Pois, então, pasmem agora, amigos: o MEC TEM UMA SEGUNDA PROVA, FEITA PARA CASOS DE EMERGÊNCIAS. Pois então, porque não usar essa prova logo agora, ao invés de cancelar o exame e causar esse alvoroço todo? No máximo, adiar em uma semana, talvez duas (já que o feriado está aí), que é tempo suficiente para conferir se essa segunda prova também não vazou. Não, deixemos os alunos na incerteza, e vamos esperar de 45 a 60 dias, correndo o risco de pegar outros vestibulares. Mas o MEC não deve pensar nos outros vestibulares. O que importa MESMO é que o ENEM seja feito, e eles tenham os seus malditos resultados no começo do ano que vem, antes do Carnaval, para dizerem que estão avaliando nosso ensino e fazendo de tudo para melhorar. Se algum vestibular (ou vestibulando) será prejudicado, pouco importa. Afinal, quem mandou as instituições não aderirem ao ENEM como seu próprio exame, não é mesmo?

    (e tenho dó das estaduais como a UNICAMP nessas horas, porque tenho certeza ABSOLUTA de que cairá no dia dos exames delas. Afinal, o governo federal nada que tem com essas universidades, quem dirá com aquelas que são sustentadas pelos estados governados pela oposição, como o caso de São Paulo?)

    Aí, fico eu, professora, pensando nos meus alunos. Alunos da rede pública de ensino, que fazem cursinho comunitário, e que estavam morrendo de medo dessa prova. Imagine vocês que, se alunos como a Tamara, altamente competentes e preparados nos melhores colégios/cursinhos do país, já ficam ansiosos, quem dirá os alunos que, como os meus, tiveram a pior base do mundo e mal sabem fazer operações simples de matemática? Os meus alunos ainda tem os cursinhos como os que eu trabalho, que tentam, a todo custo, suprir essa lacuna, mas e os outros, que nem isso tem? Se eu já tive um trabalho imenso preparando esses alunos para esse final de semana, tentando acalmá-los e fazê-los ver que o ENEM não é o bicho de sete cabeças que eles pensam, imagine quem não tem um professor como eu para dizer isso? Meus alunos, nesse exato momento, estão mais do que revoltados: estão frustrados. Porque eles tiveram muito trabalho para se prepararem e se acalmarem para os dias 3 e 4 de outubro, e agora terão que repetir todo o processo de preparação, porque alguém lá em cima não pensa neles. Poxa, isso não é nada fácil para um aluno que se desdobra em dois para conseguir o dinheiro do ônibus. O MEC quer MESMO fazer esse pobre aluno sofrer? Esse pobre aluno pode ser representado por pelo menos 70% daqueles que iam prestar ENEM nesse final de semana. É esse tipo de pessoa que você, MEC e cidadão que denunciou a troco de dinheiro, está desrespeitando.

    Por último, a hater Lily:

    Eu não sei quem eu quero matar nessa história toda. Se é

    a) O Fernando Haddad, que fez a maior demagogia sobre esse novo ENEM, para, no fim, deixar tudo escorrer de suas mãos nos 45 do segundo tempo.

    b) O MEC, que, como explicado acima, tá pouco se fudendo pros alunos que vão prestar.

    C) Ou o cidadão que denunciou essa sujeira toda, não para fazer um bem à comunidade, mas unicamente por dinheiro e interesses próprios, e ainda o fez de maneira porca, porque só um ser muito burro (ou muito cretino) para denunciar pro Estadão e achar que eles não iam conseguir publicar sem ceder à chantagem. Ainda tentou pressionar, dizendo que levaria para outros meios de comunicação que aceitasse pagar. PFFFFFFFF!

    Sério, não me espanta que todos esses jovens achem Twilight a melhor obra do mundo. Se nem o governo os vê como merecem e dão o tratamento necessário, como cobrar deles o mínimo de senso crítico pra entender que esse livro é uma merda?

    Lily

    01/10/2009 às 9:56 pm

  7. Ana

    Ah, nem li todo o comentário da Lê ainda, mas li MEC e lembrei de comentar:

    Sou estagiária de Letras, antes de escola pública. Por uma série de inconvenientes (aka má vontade da professora), tive a sorte de fazer um estágio DE VERDADE – sem mentiras pro MEC gostar – em escola particular. Meus colegas, no entanto, não tiveram a mesma sorte.

    E agora falo por mim e por eles: os documentos da escola são todos MAQUIADOS pro MEC não ver. Nossos relatórios são TOTALMENTE FAKE, porque o MEC pode pedir pra olhar e não pode estar falando lá que a escola é uma porcaria. Um colega meu tirou fotos e fez denúncias no relatório. Veio a ordem de refazer, porque ele não podia denunciar nada. Assim, sem explicação. De fato, de todos os alunos da sala, só UM comentou que os documentos são verdadeiros, reconhecem o problemas da escola e tudo mais. UM. Certo que somos menos de 10, mas ainda assim, se de 10 escolas RUINS, UMA reconhece que tem problemas, aí tem coisa errada, né?

    Ou seja, né, as próprias instituições fingem pro MEC. E aposto que o órgão, sério e competente como é, só lê os documentos CAMUFLADOS (se é que lê) e considera suficiente… e depois tem gente que quer saber porque eu CORRO dessa vida de trabalhar em educação.

    01/10/2009 às 10:08 pm

  8. Marisa Rosalino

    “Sério, eu não sei o que o governo brasileiro espera da juventude estudantil”: O país espera da juventude estudantil a mesma coisa que tem da sua população adulta: passividade.
    Eu tenho alguma vontade enrustida de trabalhar na área de educação, e isso me frusta mais do que como vestibulanda. Isso pq, como vestibulanda, não vai me fazer tanta diferença: a prova é patética, não estou me preparando p/ ela, e sim para as minhas específicas. Só vai começar a me incomodar se precisar fazer as específicas sem saber as minhas notas do Enem. Não é isso que me frustra.
    Mas isso não é surpresa alguma, é exatamente o que o povo brasileiro merece. Para um governo ser PARA o povo, deve ser PELO povo, e o povo está muito longe do leme. Tenho uma convicção particular de que as coisas só se consertam quando a construção de um senso de responsabilidade, consciência e idealismo políticos forem incorporados ao processo educacional – e é por isso que nutro desejo real de ser professora de história – e por isso esse descaso com o setor educacional me deprime tanto. Acho que eu sou a única vestibulanda que não está lamentando como vestibulanda, mas como cidadã.

    01/10/2009 às 11:00 pm

  9. Twilight Haters

    Só pra constar que eu não sou vestibulanda, então eu também me frustro como cidadã. E cara, os adultos de hoje são passivos porque a educação lá atrás os formou assim. E vamos continuar nesse ciclo vicioso mesmo?

    E até certo ponto concordo com a Marisa. Não podemos cobrar do governo sendo que o povo é o primeiro a atirar a pedra e a desistir do próprio país, preferindo babar pelo que tem lá fora. Mas como eu, particularmente, gosto daqui e não quero desistir de tudo que amo, eu cobro MESMO!

    Lily

    01/10/2009 às 11:17 pm

  10. Veh

    Agora me lembrei de uma discução que eu tinha visto, sobre educação física, o que não vem ao caso.

    Mas, eu lembro, que teve um menino que falou assim: “Meus avós tinham que fazer isso sem gostar, eu tenho que fazer isso sem gostar. Será que meus netos também vão ter que fazer isso sem gostar?

    Ou seja:
    Desde os tempos da colonização, os brasileiros tem “preguiça” de correr atrás dos próprios direitos. O brasileiro se acomoda. O brasileiro acha que nada do que ele fizer vai mudar o país.
    Nós temos que mudar isso. Porque, se cada um começar a mudar a sua cidade, logo muda o estado, logo muda o país.

    Tá, não tão logo assim.

    Mas, como no comentário (enorme) da Lily:
    São poucos os que lutam pelos seus direitos, se é que lutam. O aluno que estuda MESES tem que esperar mais, e ainda, escolher entre o ENEM e alguma faculdade, como a UNICAMP.

    01/10/2009 às 11:38 pm

  11. Twilight Haters

    Marisa, eu não quero te desanimar, mas você vai descobrir que só consegue contribuir em sala de aula se fizer aquilo que a escola mandar. Esqueça ideologias e ideais seus, particulares. Lá dentro, você é marionete de um sistema muito maior.

    Eu tinha muito o sonho de ensinar porque queria fazer a diferença desse jeito. Não mostrar aos alunos no que acreditar, mas dar a eles a capacidade de decidir. E nem isso posso fazer, porque dar a eles a capacidade de decidir abre portas pra oposição e vontade de mudança. Pulei fora, mesmo.

    (ana)

    02/10/2009 às 12:57 am

  12. Cara, é uma MERDA FEDERAL isso aí. Eu já tinha me revoltado com essa mudança de vestibular pelo ENEM (mesmo com todo mundo falando que eu não tenho nada com isso, já que já sou universitária), mas depois dessa, dá pra ver que não tem NINGUÉM NEM AÍ COM A GENTE; nós, o povo, os cidadãos, os idiotas que pagam imposto pra manter esse país.
    Eu jurei que era pegadinha quando eu li pela primeira vez. Como assim?? O ENEM, que durante todo o ano foi a menina dos olhos do país inteiro, a promessa de um vestibular “menos sacrificante” (é pra rir?) pros nossos estudantes?

    É sério, viu.
    Que vergonha de ser brasileira.

    02/10/2009 às 1:25 am

  13. xaxa

    nem ligo, naum vou fazeh esse ano msm!!! hihihihih

    02/10/2009 às 11:27 am

  14. Talvez depois do seu décimo ano de cursinho você comece a se importar, xaxa. Nem por você querer entrar na universidade, mas pela vergonha da incompetência de seu próprio país.

    Abraços.

    02/10/2009 às 3:11 pm

  15. Veh

    O pior é quem fica “Ah, não vou fazer mesmo… tô nem aí!”. Gente, e os outros? Brasileiro é egoísta.

    02/10/2009 às 3:18 pm

  16. Dannie

    ei, eu não estava criticando o Brasil. Não é tudo cópia mal feita do que vem de fora. Adoro o Brasil, só estava dizendo que em alguns casos, eles fazem isso. Acho uma ótima idéia o vestibular unificado, mas estava dizendo que o jeito que foi feito, apressadamente, mudanças ESSE ano mesmo, ficou uma cópia mal feita do modelo americano. Se fosse uma mudança mais bem pensada, não seria de jeito nenhum uma cópia.

    02/10/2009 às 4:50 pm

  17. ritah

    Posso dizer que não percebi patavina?! Okay, percebi que a coisa tá feia para quem tá em ano desses exames. E eu a achar que o ensino em Portugal era uma porcaria.’Tou dando graças a Deus agora.

    02/10/2009 às 9:03 pm

  18. Julia

    bem, como a Tamara que escreveu o post, estou no cursinho também, mas acredito que diferente dela eu não me inscrevi para o ENEM (perdi a data de inscrição -Q). Nem por isso deixei de me indignar! Esse país e esse governo petista é uma piada! Só aqui mesmo para acontecer e como a Lily disse… PQ NÃO USAM A MERDA DA PROVA SUBSTITUTA? É pra isso que ela existe, não? O Ministro da Educação falou no jornal que a prova só será feita em novembro! mesmo mês que a Fuvest, PQP chega a ser engraçado, mostra o quanto somos respeitados e considerados. Como já disseram o governo só pensa em camuflar o problema, ao invés de resolvê-lo… o Enem, dar cotas, enfim sempre fazem coisas para mostrar dados ótimos sobre a educação do Brasil, quando na verdade a pessoa entra numa faculdade sem formação nenhuma e mal consegue acompanhar.
    Hoje mesmo saiu o anúncio de que o Rio de Janeiro será a sede das olimpíadas de 2016. O que isso tem a ver com o assunto? Muito pouco, pra ser sincera. Não que eu ache que será péssimo ter as olimpíadas aqui, não é isso, mas já pensaram no ROUBO que vai ser? Os políticos vão superfaturar nas obras, enquanto o povo aplaude. E o circo continua…
    Mas é isso mesmo, eles continuam roubando, nós continuamos a pagar impostos e nada é feito. [/desabafei]

    03/10/2009 às 1:08 am

  19. Laís

    Já achei uma tremenda de uma burrice mudar o sistema em um ano, porque eles não se planejaram antes de decidirem usar essa porcaria de ENEM. Pra começar já inventaram isso pra dar um uso pra essa prova que quase ninguém fazia.
    Agora vai atrasar os resultados dos vestibulares que dependem dessa maldita prova e só vamos saber dos resultados em fevereiro, e entrar pra faculdade no segundo semestre no mínimo.

    03/10/2009 às 11:54 pm

  20. diego M.

    A dona desse post está desinformada. O MEC já possuí um segundo modelo de prova pronta, que apenas será encaminhado para impressão. Esse segundo modelo está tão bem elaborado quanto o primeiro modelo que vazou.
    A demora em 45 dias deve-se a duas questões principais: A impressão de milhares de provas, a revisão, e também a impressão de outros milhares de cartões de confirmação, que devem novamente ser entregues a todos os candidatos. Por isso deve haver esse espaçamento mínimo de um mês e meio.
    Aqueles que ficaram indignados com a mudança do sistema de avaliação e que desmerecem o ENEM, são na grande maioria pessoas abastadas e cheias de mimos, que se fazem de vítima só por que o seu sistema de “decoreba” está sendo quebrado.
    O ENEM avalia o conhecimento e vence pelo cansaço (acha que na vida será diferente?). Afinal, merece entrar para uma faculdade quem tem maior conhecimento e habilidade em aplicar o que sabe, ou quem tem uma memória melhor?

    04/10/2009 às 12:27 pm

  21. Veh

    Sobre o comentário acima:
    Você viu o novo ENEM, que disponibilizaram? Era uma prova medíocre de tão fácil.
    Isso, porque eu estou no 8º ano do Ensino Fundamental.

    E, querem que uma prova destas sirva para colocar os jovens nas universidades federais.

    04/10/2009 às 3:15 pm

  22. Caro Diego M,
    Gostaria que o senhor avaliasse, antes de dizer sobre “desinformações”, a data da postagem. A notícia de que o ENEM teria uma segunda prova em mãos foi divulgada após horas desta postagem. Agora, sobre o segundo modelo “estar tão bem elaborado quanto o primeiro”, questiono-me então se já devo começar a me preocupar com uma prova que cobra norma culta dos alunos, mas erra em suas próprias questões detalhes como onde usar “porque”,”por quê”, “porquê” e “por que”, ou talvez na existência de duas ou mais alternativas corretas em uma única questão – porque, em minha opinião, isso continua sendo uma mostra de incompetência e imaturidade para se elaborar uma prova em nível nacional que sirva para ingresso em universidades.
    A respeito da demora de 45 dias, devo acrescentar que não me importaria com a mudança de data, caso ela não atrapalhasse outras provas vestibulares. Há provas de vestibulares o mês de novembro inteiro, além de praticamente ocupar três finais de semana em dezembro. Claro, o ENEM já discutiu a possibilidade – e irá debater isso com os reitores das 55 universidades federais na segunda-feira, como divulgado em jornal – de aplicar a prova durante a semana, onde seria organizado um “feriado” em prol da realização das provas, mas isso não muda o fato de que a falta de organização deles acaba por atrapalhar não só a mim, mas a 4 milhões de estudantes que se prestaram a fazer o Exame Nacional do Ensino Médio. Imagine uma pessoa, em reta final de vestibulares, tendo que enfrentar dois dias exaustivos de prova para que, no domingo, faça ainda mais 90 questões (como na FUVEST)? Não apenas isso, mas já que o resultado do ENEM seria ligeiramente tardio por conta dessa mudança – mas não tardio o suficiente para que a FUVEST desistisse de usar o ENEM como bônus – questiono-me quando sairá o resultado então, com a prova em novembro? O que acontece, exatamente? Fazemos, por exemplo, a FUVEST, somos aprovados para estudar na USP e só em abril sai o resultado do ENEM, falando que posso ganhar “x” pontos na nota da primeira fase?
    Agora, não sei se foi ou não sua intenção – e realmente nem quero saber – me ofender com o termo “pessoas abastadas e cheia de mimos”, mas sobre “quebrar paradigmas de decoreba”, desculpe-me, mas a FUVEST já faz isso há bons anos, e não apenas porque suas dez primeiras questões de primeira fase são interdisciplinares. Melhor exemplo ainda: UNICAMP. Eles cobram interdisciplinaridade, sem esquecer do conteúdo, e de acordo com coordenadores de cursos pré-vestibulares e colégios conceituados, é considerada uma das provas mais inteligentes hoje em quesito de avaliar o aluno.
    Concordo sobre o aluno ser vencido pelo cansaço, no ENEM (e não, não acho que na vida será diferente, porque já tenho uma experiência bem clara no Ensino Médio sobre o que é ser avaliado pelos seus méritos e como viver em uma sociedade atualmente competitiva, obrigada.) , mas discordo amplamente sobre ele avaliar o conhecimento. Mais de 60% de seu conteúdo cobra, essencialmente, capacidade da pessoa de interpretar textos. Mesmo não sabendo nada de Biologia, após a leitura do texto, qualquer pessoa é capaz de tirar informações que acabem auxiliando-a na resposta do exercício. Onde isso é, exatamente, conhecimento? Não desmereço o ENEM, mas observá-lo como “o modelo de prova atual” é algo largamente questionável, no entanto.
    E, por último, você deixou a pergunta sobre quem deveria entrar na universidade. Pois bem, geralmente uma pessoa que possui maior conhecimento também tem a habilidade de armazenar maiores informações e, portanto, possui mais memória. A menos, é claro, que tenham descoberto um novo método de aprendizado via osmose e não fui avisada.
    E aplicação de conhecimentos adquiridos vem com situações vivenciadas. Isso, nenhuma prova avalia.

    Tamara, “a dona do post”

    04/10/2009 às 3:16 pm

  23. diego M.

    ” Pois bem, geralmente uma pessoa que possui maior conhecimento também tem a habilidade de armazenar maiores informações e, portanto, possui mais memória. A menos, é claro, que tenham descoberto um novo método de aprendizado via osmose e não fui avisada.”
    Primeiro: nem sempre quem têm melhor memória é necessáriamente aquele que possuí maior conhecimento. Sou professor, e vejo como alunos com intelecto duvidoso conseguem adentrar as faculdades, depois de meses decorando exalstivamente algo que no futuro se esquecerá. Porque aprender não só decorar, e sim entender um assunto de um modo mais amplo.
    As provas das universidades citadas você as colocou num “pedestal”, como se fossem insentas de erros, o que não é verdade.
    O que eu vejo também tanto em seu post quanto em sua “réplica”, é uma garota que usa de palavras difíceis – numa tentativa que eu considero frusrada – de parecer inteligente.
    O Enem sendo 60% interpretação e 40% conhecimento, eu considero satisfatório, pois na vida profissional é mais ou menos essa porcentagem. Algo em torno de 50%/50%.

    “Gostaria que o senhor avaliasse, antes de dizer sobre “desinformações”, a data da postagem. A notícia de que o ENEM teria uma segunda prova em mãos foi divulgada após horas desta postagem” – Bem, estava desinformada sim. É de conhecimento publico que sempre há uma prova reserva. Não só no caso do Enem, mas como em todos os vestibulares aplicados. Isso nunca foi segredo.
    Acho totalmente válido o uso de da nota do enem para o ingresso do aluno na faculdade, mas apenas como complemento.
    Você já fez o Enem em anos anteriores?
    Não vejo motivo para tanto descontentamento seu em relaçào a esse modelo proposto. Medo de uma maior concorrência?

    04/10/2009 às 6:14 pm

  24. jean

    Não vejo problema na mudança de data do Enem. Afinal, o MEC vai entrar em acordo com as universidades.
    Eu vou fazer o ENEM, e independente de quando for, estarei preparado.
    Aqui a UFPR também tem uma prova longa pra c******, só que milhares de vezes mais difícil que o Enem. Dessa sim é que eu tenho medo.

    Mas ainda assim, o enem vai ser uma prova q eu vo morrer nela! haushsa
    Se quando eu fiz com 63 eu quase morri, imagina agora!

    “”Não existe triunfo sem perda, não há vitória sem sofrimento, não há liberdade sem sacrifício. (O Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei)”” (sempre quis dizer isso) \O/ hasuhasuash

    04/10/2009 às 6:20 pm

  25. will

    vocês riquinhos que estudam em escola paga não gostaram pois vocês não precisam estudar e trabalhar ao mesmo tempo,não precisam ajudar no sustento de suas familias,tem a vida boa e tudo mais,e o ensino de vocês é mt melhor afinal,vcs pagam para isso! muitos alunos de escola pública se dedicam e muito,estudam o tempo que podem,mas não temos culpa se nosso ensino é precário!e se não podemos pagar uma escola boa!e a maioria tem muita capacidade de se der muito bem em cursos como medicina! injustiça?!eu acho que não,injustiça é um aluno de escola pública ter estudado muito o maximo que pode,mesmo com dificuldade por não ter aulas de verdade não passar no vestibular pq todos os riquinhos ocuparam suas vagas,pois eles tiveram dinheiro para pagar uma escola boa que os fizesse passar!

    04/10/2009 às 6:47 pm

  26. Will, só um comentário, apesar de você definitivamente não precisar saber da minha vida:

    Estudei em um dos melhores colégios de São Paulo, sim. E me orgulho disso com toda a certeza. Só que, ao contrário do que você pensa, eu trabalhei para ajudar meu pai a completar a mensalidade do colégio, e as mensalidades ainda foram refinanciadas.

    Então, de verdade, não me venha falar sobre problemas que as pessoas tem por ter ou não grana. Há quem corra ou não atrás do que quer, e são essas pessoas que mudam a realidade, independente do número de “forças ocultas” que existam.

    04/10/2009 às 7:30 pm

  27. Twilight Haters

    Ok, EU não consigo ficar quieta em situações como essa. Lá vou eu me meter onde não fui chamada, mas eu PRECISO dizer isso.

    Senhor Diego, caro professor. Para começar, não é erro da Tamara ela não saber que tem uma segunda prova. Aliás, poucos de fato sabiam, e a informação da segunda prova só foi divulgada, até onde eu me lembre, no final do dia, exatamente para acalmar os ânimos dos estudantes que ficaram especulando quanto tempo demoraria para a realização da prova reserva. E, até onde eu sei, MEC não é instituição de vestibular, então não precisamos cobrar deles uma segunda versão. Aliás, nem eu esperaria, já que o ENEM não consegue SEQUER mandar a tempo os questionários socio-econômicos pelo correio, quem dirá ter uma prova reserva.

    Mas, veja bem, se o ENEM tem, de fato,uma segunda prova, então porque 45 dias para a realização da prova, correndo o risco desnecessário de pegar vestibulares próximos? Não me diga que é para dar tempo de imprimir e redistribuir pelo país. Isso não leva mais do que uma semana, o que não justifica tal demora e nem tal descaso com os brasileiros em dar uma data fixa.

    Agora, sobre a avaliação de ensino, sinto dizer, mas o equivocado é o senhor. Concordo com o senhor que memorização não é, de fato, o equivalente a conhecimento e inteligência, mas o senhor acha MESMO que o ENEM é quem está isento do método de memorização? Bom, eu vou dizer como uma pessoa que prestou ENEM DUAS VEZES e que hoje é professora de cursinho pré-vestibular: o ENEM não consegue avaliar a tal capacidade de entendimento, mesmo porque seus textos são horrivelmente compridos para que apenas 5 ou no máximo 10% da informação seja usada na resposta da pergunta, sendo que essa resposta é tão ridícula de óbvia que, por muitas vezes, nem o texto era necessário. Se a memorização não é o melhor método de conhecimento – e concordo que não é, embora o modelo de ingresso nas universidades nos obrigue a adotá-los, devido ao extensivo conteúdo, o método do ENEM de avaliar tampouco demonstra a real capacidade do vestibulando de entender e abranger os conteúdos de uma maneira mais ampla. Pelo contrário: eles minimizam tanto esse “entendimento” que as perguntas nada passam de um “encontre no texto”, o que, a meu ver, chega a ser pior do que a memorização pura e simples.

    Para terminar, acho que o senhor deveria medir as próprias palavras e diminuir o tom arrogante antes de vir falar com a Tamara, porque, se a você pareceu que ela era apenas “uma menina tentando se passar por inteligente” (e ela é MUITO, e não estou dizendo isso por ela ser minha amiga, mas por conversar com ela quase todos os dias e ser uma das únicas pessoas com quem consigo manter uma discussão saudável e inteligente sobre diversos assuntos – coisa que não consigo nem com meus colegas de universidade), o senhor me pareceu apenas um cara querendo vangloriar sua posição de professor e humilhar uma garota que está, ao contrário de muitos jovens deste país, fazendo valer seu direito à expressão e ao pensamento. Se ela não se contenta com o formato da prova, e reclama SIM dos danos que sofrerá durante a sua árdua batalha de entrar na faculdade – batalha que a faz perder um domingo inteiro estudando exatas, por exemplo, ou a faz abrir mão da própria vida social para melhorar seus conhecimentos, não deve ser o senhor, UM PROFESSOR, a condená-la por querer um futuro e uma prova melhor. Portanto, menos prepotência, sim? Se você quer defender o ENEM, tudo bem, é um direito seu. Mas não chame uma vestibulanda – a principal vítima dos efeitos dessa palhaçada – de burra por não compartilhar da mesma opinião que você.

    E ao senhor Will, eu só tenho uma coisa a dizer: RIQUINHOS? Ah, claro. Porque eu dou aula pra cursinho comunitário, passei a minha vida toda dependendo de escola pública e de bolsa de estudos para ter um bom estudo, e ainda vi a Tamara se esforçando pra conseguir a bolsa dela no ETAPA, só pra ser julgada de “riquinha mimada que leva vantagem”. Olha, eu concordo que não é justo com os alunos de escola pública que estudam e trabalham, mesmo porque eu convivo com essa realidade todos os dias. Mas, se a culpa não é deles, tampouco é nossa. Não é porque nós podemos pagar por um estudo melhor (ou ter a bolsa de estudos em uma boa escola, que é uma vitória muito grande) que a educação é uma porcaria nesse país. E o ENEM só serve para mascarar essa realidade, e garantir que o ensino pobre será mantido, porque ele vai dizer que os alunos estão bem, quando claramente não estão. É a nós MESMO que o senhor quer culpar?

    Lily

    04/10/2009 às 7:51 pm

  28. Caro Diego M,
    “Primeiro: nem sempre quem têm melhor memória é necessariamente aquele que possuí maior conhecimento.”
    Não foi o que eu quis dizer. Se o senhor reler o final do meu comentário, verá que disse que GERALMENTE uma pessoa que possui maior conhecimento também tem uma memória muito boa. O que eu quis dizer é que memória e “decoreba” não estão necessariamente sempre relacionados, como o senhor pareceu afirmar no comentário anterior.
    Em momento algum eu coloquei as provas da FUVEST, UNICAMP ou qualquer outra em um pedestal. Sei muito bem dos erros que elas cometem ano após ano, mas, definitivamente, eu mantenho minha opinião de que sim, elas são melhores do que a do ENEM pela organização e maturidade – algo que o ENEM não esperou possuir. Teria sido muito mais prudente de uma organização que pretende aplicar provas em nível nacional para aprovação em universidades federais estudar e desenvolver, durante pelo menos um período de um ano, antes de anunciar suas pretensões de “substituir o vestibular”. Se isso tivesse acontecido, provavelmente não estaríamos em tal situação – a de terem que cancelar a data por causa de fraude.
    Sobre “conhecimento público”, admito meu erro, realmente não tinha ideia de que o MEC poderia possuir um “plano B” – apesar de ter plena consciência de que as federais que adotaram o mesmo como primeira fase ou fase única provavelmente o tivessem, caso ocorresse algo de errado – e não neguei em momento algum no comentário tal desconhecimento. Só tomei noção após publicarem notícias a respeito, e após ter feito esta postagem. Agora, dizer que era de “conhecimento público” é, no mínimo, equivocado – ou talvez mais uma de suas tentativas para tentar diminuir toda e qualquer coisa que eu diga. Caso fosse de “conhecimento público”, os telejornais, os jornais e internet não teriam divulgado praticamente o dia inteiro as indignações dos estudantes e vestibulandos de 2009, assim como jornalistas e analistas também não teriam expressado suas opiniões contrárias a respeito do que aconteceria agora que a prova havia sido fraudada. Caso fosse de “conhecimento público”, o alarde não teria sido tão grande, não acha?
    “Você já fez o Enem em anos anteriores? Não vejo motivo para tanto descontentamento seu em relaçào a esse modelo proposto.”
    Já, esse ano seria a quarta vez. Faço o ENEM desde os 15 anos, para me acostumar com o tempo, com o jeito da prova e os exercícios. Além disso, tive uma semana de preparação única para o ENEM, que incluía resolução do mesmo desde 1999. E, já que o ENEM basicamente se resume a mais interpretação de textos do que conhecimento em si, salvo poucos exercícios, também deixo registrado que desde que comecei a ser alfabetizada recebi fortes incentivos a leitura, sempre fui apaixonada por leitura de livros e livros, então o ENEM não é, em momento algum, uma prova que me preocupe. Meu descontentamento, no entanto, é com a falta de organização do Inep e com a aparente falta de respeito que possuem pelos estudantes, com toda essa palhaçada. Minha preocupação não é comigo, mas sim com aqueles que estavam realmente ansiosos com a prova, onde muitos infelizmente não tiveram a oportunidade de estudar em grandes colégios, ou receber vigorosos investimentos em educação ao longo de suas vidas acadêmicas.
    A respeito da concorrência, não, não estou nem um pouco preocupada com ela e tampouco tenho medo de “uma maior concorrência”. Acredito que cada é tem a si mesmo como concorrente, tendo o cansaço, o desânimo e a desistência como seus obstáculos. Quanto às outras pessoas, sempre os vejo como futuros colegas de classe, estudantes procurando, assim como eu, pelo melhor. Sei quem sou e sei muito bem quais são os meus sonhos, e eles são suficientemente fortes para que eu siga em frente, independente do número de vezes que eu seja obrigada a bater a cara.
    Agora, estou sinceramente inconformada do tom que o senhor usou, principalmente na parte em que me chama de ignorante e burra nas entrelinhas. Mas, depois de muito refletir, decidi por não comentar ou julgar sua decisão de dizer tais palavras, muito menos apontar meu dedo e deixar bem claro minha opinião sobre um professor que diz tais coisas pelo simples fato de que prefiro escrever correta e articuladamente ao invés de usar o “miguxês”. Deixo apenas registrado o quanto me senti ofendida.

    Tamara

    04/10/2009 às 8:52 pm

  29. jean

    Eu tava vendo uma reportagem sobre o vazamento do Enem, e foi um segurança do consórcio contratado que levou na “mão grande” uma cópia do exame.
    Isso é culpa do momento em que vivemos no mundo todo.
    Hoje em dia tudo é terceirizado!
    Apesar dos cara terem tomado um monte de medidas de segurança, o FDP fez o que fez.
    Sempre tem um pra estragar a alegria geral da nação… mas vejam, poderia ter sido pior.
    Imagina se fazemos aquela prova e depois decidem cancelar!

    No final das contas eu saí ganhando, pois fikei muito gripado bem no fds XD

    Meus pêsames a todos que levaram um “bolo” do Enem. kkkkk

    04/10/2009 às 10:33 pm

  30. Twilight Haters

    Will, eu até concordo com você.

    Não sei, talvez na sua concepção eu faça parte do time dos “filhinhos de papai” só porque estudei em colégio particular (com bolsa de 100% por ser filha de funcionário, mas que seja). Mesmo eu tendo feito cursinho voltado pra comunidade carente, com meu pai assumindo aulas pra sair de graça. Mesmo eu trabalhando pra pagar minha faculdade, também.

    Mas também não acho justo pensar que tem gente trancando faculdade porque não tem grana pra pagar PRECISANDO estudar em instituição particular pra ter um diploma de ensino superior enquanto tem playboyzinho a rodo que papai deu um carrinho depois que passou no vestibular lotando as instituições públicas, fato. Também acho muito fácil falar em esforço e dedicação quando você não PRECISA pagar as contas da casa, etc. Pode não ser minha realidade, mas é a realidade de gente muito próxima de mim. Uma das minhas melhores amigas trancou a faculdade porque não tinha grana. Aluna esforçadérrima. Trabalha o dia todo, já foi faxineira, merendeira e professora na cadeia, e nunca deixou um trabalho atrasar nem nunca pegou uma DP. Não, não acho justo mesmo pensar nessas coisas. Se dependesse de esforço, ela podia estar em qualquer lugar… mas e a oportunidade, cadê? Entendo o que vc quer dizer. E me revolto horrores de pensar que a educação pública básica é sucateada e a superior é elitizada, sim, e queria MESMO poder fazer alguma coisa por isso. Só que entra a questão do desinteresse dos alunos, também, o que nem vou discutir agora.

    Mas não achei mto pertinente o assunto pra esse post, sinceramente.

    04/10/2009 às 10:52 pm

  31. will

    aí que está! as coisas são realmente assim
    Mesmo que se esforçem, muitas pessoas nào conseguem se manter na facul, por q muitas vezes mal tem dinheiro pra condução
    O que falta é oportunidade
    E axo q coisas como esse enem, podem seu uma GRANDE oportunidade
    É claro q num é só isso… mas já é um início, naum eh?

    05/10/2009 às 2:26 am

  32. Twilight Haters

    Tipo, eu sei que as coisas são assim, Will :/
    Vejo isso muuuito de perto, mesmo. A melhor coisa de ter ido fazer faculdade particular no período noturno foi conhecer esse lado B de perto. É cheia de gente que quer fazer ensino superior e não tem condições (exceto nos cursos mais caros, tipo publicidade e propaganda, jornalismo, direito…), é o super reflexo do como a educação básica aqui é DEPRIMENTE e como faltam oportunidades. Tenho duas colegas que terminaram o colegial em EJA. É difícil ver a vontade e o esforço delas e ver como a base que tiveram foi fraca, que nem com vontade e nem com esforço elas conseguem acompanhar muita coisa (isso porque é faculdade particular, que em tese nem é tão difícil).

    E, sim, o Enem pode trazer chances, mais chances. Se não ajuda pra entrar em facul pública, pode ajudar com o ProUni. Tbm tenho um amigo que só terminou faculdade porque conseguiu bolsa integral pelo sistema. Não é o mais justo, ele mesmo fala que vai procurar emprego, hoje, e a faculdade não serve nem pra enfeitar currículo, mas de repente pra outra pessoa pode servir assim. E o Enem pode, também, acrescentar pontos pra passar num vestibular pra faculdade pública, por que não? O problema é que aí o cara estaria concorrendo com gente que teve mais preparo – digo, no vestibular… bah, não é justo, mesmo.

    É um início, mas tapa um pouco o sol com a peneira. Igual o sistema de cotas… o problema é que temos que pensar no que é eficiente enquanto a educação básica continua o lixo que tá. Tem que achar os pontos, mexer neles… mas enquanto as escolas maquiarem documentos pro MEC, e enquanto o MEC não se importar com isso, a bola de neve vai continuar assim ¬¬

    (Ana)

    05/10/2009 às 12:09 pm

  33. Twilight Haters

    “É um início, mas tapa um pouco o sol com a peneira. Igual o sistema de cotas… o problema é que temos que pensar no que é eficiente enquanto a educação básica continua o lixo que tá. Tem que achar os pontos, mexer neles… mas enquanto as escolas maquiarem documentos pro MEC, e enquanto o MEC não se importar com isso, a bola de neve vai continuar assim ¬¬” [2]

    E vou até ser um pouco mais radical. Não, não é um início. Na verdade, é uma tentativa de mascarar a educação básica, fundamental e média PODRE que temos, fazendo uma prova fácil que, ao invés de avaliar o ensino (como era a intenção inicial do ENEM, até onde eu me lembre), serve apenas para dar bons rankings ao governo brasileiro e oferecer bolsas de estudos em universidades que, por muitas vezes nem qualidade de ensino superior tem (claro que nem todas as universidades que tem o convênio com o ProUni são ruins, mas convenhamos, os cursos e as faculdades de pontas, que são REALMENTE disputadas e são REALMENTE caras, geralmente não estão na lista das conveniadas). Então, o que temos? A educação básica continua ruim, o ensino superior de qualidade continua elitizado, e a população mais carente é, por assim dizer, enganada e iludida pelo sistema de cotas e de ProUni, porque acha que está fazendo uma boa faculdade e ganhou uma chance, mas, lá na frente, descobre que a universidade não serve nem pra enfeitar currículo, como disse a Ana. Quem ganha com isso? O governo, que só mostra os resultados do ENEM como algo positivo (positivo não porque a população tá preparada, mas porque a prova é mal feita) e continua levando o povo a banho maria, levando, assim, a fama de bonzinho e usando isso da maneira mais demagógica possível nas eleições. Não, não é um início. Início seria se mudasse, DE FATO, a educação básica desse país, se desse a todos um estudo decente e eficaz, e lá na frente, todos pudessem concorrer de igual pra igual, independente de vir de escola pública ou particular. Inicio seria pedir por mais melhorias na prova, exigir que o governo nos trate como merecemos, e não nos subestime como instrumentos de manipulação. Início seria parar de pensar em políticas de curto prazo e entender que educação é algo demorado, lento, poranto exige planos de longo prazo, que muitas vezes não vão servir para campanha eleitoral em um raio de quatro anos, e que, por isso, não deveria ser usado para fins tão mesquinhos.

    Mas, sendo muito pessimista agora… acho que esse início é uma utopia, não é mesmo?

    Lily

    05/10/2009 às 2:04 pm

  34. Sendo muito otimista, agora, só para contrariar a Lily, não é uma utopia… A menos que, é claro, em 2010 nós, como cidadãos brasileiros, façamos valer conscientemente nosso voto, nas eleições do dia 3 de outubro.

    Se a bosta está uma bosta por causa dos caras que estão lá, hoje, a culpa também é nossa [de todo o Brasil] por “n” motivos, que vão de despolitização – e isso tem vários fatores como culpa até mesmo da droga de ensino básico oferecido – até a “preguiça” de pesquisar o que os candidatos oferecem, decidindo em quem votar entre os que despotam sempre como os primeiros nas listas telejornalisticas.

    Ainda acredito nO Glorioso :P

    05/10/2009 às 3:03 pm

  35. Twilight Haters

    Acho que o maior problema de falar em “nossa culpa” é que a gente não tem como saber o que vai acontecer quando eles sentam na cadeirinha de presidente.

    Veja o Lula. PARTIDO DOS TRABALHADORES, ex-metalúrgico, a nação esquerdinha botava a maior fé nele. Tentou anos e anos, conseguiu e, digamos, virou a casaca. A gente tem que confiar em quem coloca no poder, ponto. Não é porque o Lula é analfabeto que só fez merda, como alguns gostam de dizer. Muita gente mais instruída que ele fez pior.

    Mas eu ainda acho que o Enem + ProUni sejam um início, sim. Minha faculdade não é, assim, meia boca. Não é genial, mas tem reconhecimento internacional, pelo menos. Tá entre as cinco melhores particulares do Estado. Não que o Enade seja uma avalição fiel, mas as licenciaturas todas conseguiram quatro estrelas, no ano passado. A fisioterapia foi reconhecida como curso de ponta pela UFSCar… e temos laboratórios incríveis pro pessoal da saúde e das biológicas. É uma faculdade conceituadinha, só perde mérito porque é particular… e tem convênio com o ProUni. Uma outra colega minha, que largou o curso, tinha bolsa integral pelo sistema. E mta gente formada na minha facul tem emprego na área que se formou… (depende a área, é)

    Então, tipo, eu acho que seja um começo. Depende de mil coisas, mas é um começo…

    05/10/2009 às 5:05 pm

  36. Laís

    Estou indignada, a prova do ENEM vai ser em dezembro!!! Quando os malditos resultados vão sair?!

    07/10/2009 às 3:37 pm

  37. Provavelmente vão divulgar os resultados em novembro…do ano que vem.

    Absurdo.

    07/10/2009 às 4:27 pm

  38. Isabella

    “a população mais carente é, por assim dizer, enganada e iludida pelo sistema de cotas e de ProUni, porque acha que está fazendo uma boa faculdade e ganhou uma chance, mas, lá na frente, descobre que a universidade não serve nem pra enfeitar currículo”

    Concordo com seu ponto de vista Lily.A população parece achar que pelo fato do governo dar uma bolsa de estudos – que sai para gente que nem precisa, como já mostrou o FANTÁSTICO – já é uma maravilha. Mas não é. Esse ano entrei como bolsista pro Ensino Médio em uma escola particular classificada em 4º lugar no país – fica em BH – e percebi que a o ensino do governo é o mais ordinário possível. Nunca na minha vida tinha estudado física, não sabia o que era seno, cosseno, tangente. Agora estou para ser reprovada. E chorando PACAS por ter perdido a oportunidade. E isso me deixa muito PUTA, porque a vida inteira me esforcei na escola. Fico infeliz e revoltada de pensar que não posso concorrer com os caras do meu colégio mais tarde, a não ser que faça um megaintensivo no cursinho. E isso porque? Por causa de dinheiro. Porque não tenho grana. E porque a MERDA da população se contenta com a novela das oito e o bolsa família. Porque todo mundo fala e não reclama, seja em um blog, seja no orkut. E o pior de tudo é que são esses mesmos do ensino publico vão ter filhos que vão fazer o mesmo que os pais: virar a cara e fingir que nada está acontecendo.
    Parafraseando George Orwell, e acrescentando uma palavra: De maneira permanente, uma sociedade hierárquica INJUSTA só é possível na base da pobreza e da ignorância

    08/10/2009 às 4:44 pm

  39. Twilight Haters

    Sabe que esse post, de repente, me lembrou um negócio que um amigo meu disse, de que em algum desses países na Europa onde a vida é perfeita, as pessoas se matam porque, er, a vida é perfeita.

    Eles se sentem perdidos quando descobrem que só precisam “nascer e morrer” porque as coisas já vão bem e se matam, puf. Por falta de ideal, falta de uma luta.

    Ok que muitos de nós ficamos com o bundão na frente do PC reclamando e só, sem muita ação (eu me reconheço muito nisso, sim), mas não consigo imaginar como seria a vida num lugar assim, onde o Enem não é adiado, todas as pessoas têm oportunidades, ninguém pede dinheiro na rua e tudo. Me parece tão Admirável Mundo Novo que dá pânico só de pensar. No fim, sociedade perfeita é o caralho, isso é o que é.

    E desculpa o termo.

    09/10/2009 às 5:38 pm

  40. Julia

    vi uma pessoa (acho que o will) reclamar dos riquinhos que tem direito a bons ensinos e tudo. Discordo totalmente disso, e ainda mais, acho gravissímo falar essas coisas. Antes de mais nada estudei minha vida toda em escola particular, mas nem por isso as coisas são fáceis em casa. Deixando isso claro, quero dizer que o governo atual, distrbuindo bolsas e cotas, está sim, causando uma divisão social e racial na sociedade que nunca existiu, não dessa forma. Privilegiando os menos favorecidos, causa irritações em pessoas da classe média. Sim, porque não pensem que é fácil ter estudado em escola particular e ter que passar numa faculdade pública pq não tem dinheiro pra pagar uma particular e pior, sem os beneficios do governo. No fim das contas, só que tem dinheiro mesmo é que sai tranquilo, mas a culpa não é dos ricos. Ou melhor, é dos politicos (ricos) que deixam essa merda de ensino do jeito que está (e de que vota neles tbm). Como a Lily disse, eles só querem mostrar os dados, como se tudo estivesse ótimo, mas não está. Eles deveriam dar oportunidade a quem estuda em escola pública de poder competir com quem tem uma educação paga.
    Então, pensem BEM nas próximas eleições, acho que do jeito que está não dá pra ficar e é nessas horas que podemos fazer a diferença.

    e acredito que ninguém está falando de Admirável Mundo Novo, apenas estamos reividicando algo que é essencial e básico a qualquer ser humano: acesso a informação e a educação. Muitas coisas poderiam ser melhoradas, mas claro que não totalmente. Mas concordo, seria realmente chato =P

    10/10/2009 às 1:10 am

  41. Twilight Haters

    “não pensem que é fácil ter estudado em escola particular e ter que passar numa faculdade pública pq não tem dinheiro pra pagar uma particular e pior, sem os beneficios do governo.”

    E se vc, como eu, mora LONGE de todas as faculdades públicas, comofas/
    O que tem mais perto daqui é a Unesp Rio Claro, que oferece uma gama limitada de cursos. Pra Unesp, é possível viajar todos os dias. Pena que lá não tem nenhum curso que eu ou meus irmãos faríamos por GOSTO (eu prestei Geografia há alguns anos justamente porque era a opção perto de casa). E tem a Unicamp, que já não é perto o suficiente pra viajar todos os dias. Aí tem gastos com moradia, alimentação fora, etc. Meu pai gasta mais com o meu irmão em SãO Carlos do que pagando minha faculdade, porque sem auxílio de governo nenhum, eu consegui uma bolsa de estudos. Esse negócio de que a faculdade sai DE GRAÇA só procede pra quem mora perto de campus universitário, falei. Mimimi. Certo que é um investimento mais interessante do que pagar uma particular, porque eu to me formando agora e sei que vai ser uma MERDA conseguir entrar numa pós-graduação decente com o diploma que eu tenho, enquanto meu irmão vai ter facilidades infinitas pra isso e, mesmo que ele não queira, o mercado de trabalho vai recebê-lo com os braços mais abertos do que receberá a mim. É realmente deprimente, porque eu to me formando com a consciência disso, não sou a parte da sociedade que acha que basta ter ensino superior pra crescer na vida.

    E, se todo mundo tiver esse acesso a uma super educação e informação, cairemos naquele problema de mundo perfeito: se todos têm a chance de fazer medicina e ganhar dinheiro, quem é que vai querer ser pedreiro, encanador ou lixeiro? “O trabalho dos ípsolons também é importante”. Não que eu ache que a educação pode continuar defasada do jeito que tá. O problema é que, hoje, ela nem sequer é levada a sério. As pessoas dentro das escolas, na maioria das vezes, querem só um certificado dizendo que concluíram o colégio. Não querem educação nem informação, e eu tenho pra mim que é porque pensar judia. Como a gente não é condicionado a entender que o trabalho dos ípsolons também é necessário, os próprios se sentem desvalorizados. :) esse é que é o maior problema…

    10/10/2009 às 12:03 pm

  42. gaby

    “Privilegiando os menos favorecidos, causa irritações em pessoas da classe média”

    Julia, vc deveria ter vergonha de falar uma coisa dessas. Voce quer que ajudem quem? A classe média?
    Óbviamente tem que ajudar quem mais precisa.
    E duvido que vc tenha problemas como muita gente que eu conheco…
    tenho amigos ue já passaram fome.
    vá pro inferno garota

    11/10/2009 às 12:10 am

  43. Julia

    Bem, as suas dificuldades, sem dúvida, são bem maiores do que as minhas (não sei quem escreveu o comentário depois do meu). Apesar de não morar na capital, moro perto de SP pelo menos e isso já ajuda. Mas a pressão para passar numa federal ou estadual é bem maior. E bem, você tem razão, acabaria sendo um mundo perfeito, mas nem nos melhores paises a educação chega para todos. No fim é uma utopia querer que todos tenham condições de estudar decentemente, mas desse jeito, como anda o Brasil, dá até vergonha.

    Querida Gaby, confesso que ri. Você não me entendeu, ou talvez eu mesma tenha me expressado mal. Não acho que o governo tenha que privilegiar a classe média. Só quis alertar para esse problema, que existe sim. Se pesquisar um pouco sobre o assunto, vai ver que sistema de cotas acaba dando mais problemas do que resolvendo-os. Cito o caso da Índia, as pessoas lá estão pedindo para que suas castas sejam rebaixadas para poder receber benefícios do governo. Ocorrem greves e confrontos da população com a polícia. E não foi o único lugar em que isso aconteceu. Os ricos não se incomodam com esse tipo de coisa, pois não os afeta, mas imagina como uma pessoa, que estuda muito e tem melhor formação (e mais preparo para estar numa faculdade) vê que não entrou porque outra pessoa é negra ou pobre, por exemplo? Não é uma coisa animadora, entende? Ninguém gostaria… Ou seja, acaba causando divergências entre a população, coisa que AINDA não existe aqui no Brasil. Isso é grave, muito grave. É claro que as pessoas menos favorecidas precisam muito mais de ajuda e que elas não têm culpa de uma educação medíocre, mas é esse o sentimento que causa em quem é prejudicado. Conheço muita gente que não entrou na faculdade por conta disso. Apenas quis dizer que o governo pode estar causando algo mais grave, futuramente. Inclusive é um modo preconceituoso de classificar as pessoas. Li uma matéria numa revista sobre isso. Entrevistaram duas meninas negras. Uma está fazendo faculdade de biologia e a outra não conseguiu e sabe por quê? Por que a que está fazendo faculdade, respondeu sim quando perguntada se tinha sofrido algum preconceito e a outra, que nunca tinha sofrido nada e respondeu que não, acabou sendo excluída e hoje sofre problemas por conta de não ter conseguido sua vaga.
    Sugiro que leia isso se você se interessar e tiver paciência:
    http://www.estadao.com.br/suplementos/not_sup426651,0.htm

    Nunca passei fome, graças a Deus, mas você não tem idéia de como é minha vida, já passei por muita coisa principalmente financeiramente então sugiro não dar palpites. Não me conhece e nem pode afirmar nada sobre o meu caráter, como você deixou subtendido falando de seus amigos que já passaram fome, como se eu fosse alguma menininha mimada de classe media mal acostumada. Já cuidei de crianças em situações piores que os seus amigos (claro que não sei o que eles realmente passaram e não vem ao caso), crianças sem família, ou que apanhavam dos pais ou com alguma doença, deficiência física ou mental. Fui voluntaria por um bom tempo e só parei por questão de tempo mesmo, mas pretendo retomar o trabalho. Não quero, ao dizer isso, que sou uma pessoa bondosa e magnífica. Não fiz nada mais do que minha obrigação o que a maioria não faz. Mas apenas quero lhe mostrar que eu sei o que não é ter nada por que já vi de perto, embora nunca tenha acontecido diretamente comigo.

    Quanto a ir pro inferno, bem como sei que refletir sobre as coisas e dar suas opiniões sempre incomoda a grande maioria das pessoas, é, talvez um dia eu vá para lá, se eu realmente acreditasse num inferno. Acho que viver é bem pior do que morrer, se você tem a consciência tranqüila. E quero deixar claro que o problema não foi você ter discordado de mim, mas querer me atacar desse jeito como se fosse à “fodona” que soubesse da vida.
    Bem é isso, tenho certeza de que nada do que eu disse poderia ofender alguém, mas se ofendeu não peço desculpas. Geralmente as pessoas tendem a se doer por pouco, muito mimimi e eu cansei de pedir desculpas por isso. Hoje em dia valorizo bem mais minhas opiniões, sabendo ser educada, pelo menos é nisso que acredito.
    =)

    11/10/2009 às 6:10 am

  44. Julia

    e lembrando do Enem, afinal o post é sobre isso, as provas serão no dia 5 e 6 de dezembro, ou seja afetará vários vestibulares. Muitos, como a Fuvest já disseram que não vão mais usá-lo. Vi a prova que foi roubada e é simplesmente ridícula ¬¬’ Meu professor de física disse que encontraram 11 erros na prova, não sei se isso procede ou se o número é outro, mas se for verdade é um absurdo. Eles quiseram apressar as coisas, já que ano que vem tem eleição e acabaram ferrando tudo. Jogaram bosta no ventilador, erro atrás de erro.

    11/10/2009 às 6:23 am

  45. jamilly

    Eu sou bolsista do PRouni, e sim, a prova do enem sempre foi uma merda de tão fácil… juro… Eu tava dando uma olhada nas questões desse ano e tinha uma sobre estados físicos da água… /se mata… dava uma situação,, e perguntava se era evaporação liquefação… quer dizer…PUTA QUE PARIU O ENEM… fiquei p da vida, aind amais q com essa merda de fraude, s ejá não bastasse a prova tosca, teve o cancelamento, e as melhor universidades (diga-se de passagem)estão de fora… Eu estudei feito um desgraçada durante três anos da minha vida para passar em medicina na UFPA (universidade federal do meu estado, e ela é uma merda em etermo de organização, mas enfim…) e não passei, três anos como você disse Tama, sem namorado, sem sair, sem “amigos”, sem balada, sem festa, sem porra nenhuma, que não envolvesse física e matemática… e eu não passei… No final fiz o enem… tirei a nota mais alta do estado… ganhei uma bolsa para medicina na universidade particular daqui… e… bem… não fiz medicina… mas deixa pra lá… voltando ao enem.. È uma puta de uma sem vergonhisse… aqui no Pará, a cois atá doida, a marcada pro dia 5 e 6 de dezembro, fica no mesmo dia q as provas da universidades federais daqui… Nunca antes na história desse país, foi tão fácil passar, e ao mesmo tempo tão dificil acreditar no nosso sistema de ensino.

    15/10/2009 às 4:08 am

  46. fanychan

    Eu não vou fazer o enem esse ano, mas também tenho consideração por aqueles que “iriam” fazer
    E eu não sabia que rotina de vestibulando era tão difícil…
    Tenho que me preparar pro ano que vem

    17/10/2009 às 8:03 am

  47. Guilherme Freitas

    Bom, discordo da maioria das coisas ditas nesse tópico. Apóio totalmente a reformulação do ENEM e a unificação dos vestibulares. Era urgente acabar com a monopolização das vagas pelas indústrias de cursinhos, o ensino público precisa ser democratizado acima de tudo. O infortúnio do roubo da prova ñ pode prejudicar a política de reorganização do MEC. Quanto à qualidade da prova, sinceramente, acho que se os reitores da maioria das universidades aprovaram, ñ entendo pq os estudantes iriam reclamar… me parece muito mais uma preocupação de classe, com medo de perder a hegemonia sobre as vagas (afinal se está tão fácil, muito mais gente vai entrar na concorrência). O fato é q ñ é “fácil”, simplesmente ñ é decoreba e ñ tem conceitos e matérias q nunca jamais os alunos veem no ensino médio público. Ou seja, é passável, até para um bom aluno da escola pública, o q assusta os clientes dos cursinhos. Essa é minha opinião.

    20/10/2009 às 3:36 pm

  48. Guilherme,
    Eu apóio a unificação dos vestibulares – até porque, o preço gasto com o número de vestibulares prestados iria diminuir, bem como viagens necessárias para cada vestibular, além de que potencializaria a oportunidade de prestar mais de três ou quatro universidades ao mesmo tempo -, e cheguei até mesmo a apoiar o “novo formato do ENEM”, pelo menos até antes sair toda essa palhaçada de venda de prova e tudo o mais.
    Mas discordo sobre essa coisa de “monopolização” dos cursinhos, ainda mais quando colocado de modo que eles são os culpados da história. Ora, se o ensino fosse algo realmente levado a sério pelo governo, se os nossos governantes e a população percebessem que países desenvolvidos são de tal forma porque possuem educações que prestem – e não apenas instituição superior, mas ensino fundamental e médio, também – não teríamos os cursinhos, teríamos? – ou, pelo menos, eles não acomodariam o número enorme de pessoas como hoje.

    Sobre a qualidade da prova, o ENEM estava “às cegas” dos olhos de todos, mas com toda a propaganda que lançou, todo mundo acreditava que a prova seria no nível aceitavel para ingresso das universidades federais, o que não foi o caso. Quando peguei a prova do ENEM em mãos, não sabia se ria ou se chorava de raiva, de tão imbecil que era aquilo. Eu, na condição de estudante, me vejo no direito de reclamar, porque é a minha vida que foi e é prejudicada por causa disso. Além disso, se pessoas “meia boca” fazem provas fáceis e conseguem entrar, para onde vai o nível do ensino superior, tido como unica coisa boa de ensino no Brasil?

    Tenho como exemplo um amigo que faz Economia na FEA (USP), e que agora no segundo semestre inúmeras pessoas que foram beneficiadas por bônus – escola pública, cotas, e toda essa papagaiada – desistiram ou trancaram o curso porque não conseguiam aguentar o ritmo, ou nào tinham base necessária. É realmente de mais políticas “tapa-buraco” que precisamos, ou de uma melhora substancial (mas demorada) na base?

    E sobre a prova ser fácil ou difícil, é o que meus professores sempre falam: vai entrar o cara que É bom. Seja fácil, seja difícil. Se o “meia boca” prestar e for bem, o cara que ralou o ano inteiro no “cursinho” e deu seu sangue para passar vai ainda melhor. Porque vestibular É isso, ele vai selecionar as melhores notas.

    E só um comentário (random, mas enfim xD). Eu sou cliente do cursinho, primeiro ano de cursinho, aliás – e espero que seja o único. Pela opinião geral da massa que frequenta as aulas desde fevereiro comigo, e por viver praticamente nesse ambiente de vestibular desde o primeiro ano do ensino médio, por ter educação voltada para entrar na USP, Unicamp e derivadas, digo: galere não tá com medo do aumento da concorrência, ou da facilidade das provas.
    De quem eles têm medo? Daquele cara MONSTRO, que tira 80 em simulados de 90 questões estilo FUVEST, e que quer o mesmo curso que você.

    Abraços, e obrigada pelo comentário :)

    20/10/2009 às 6:37 pm

  49. Letícia

    Isso é uma palhaçada! Espero que isso melhore até 2012, ou estarei ferrada! Ainda bem que ainda estou na 8ª série.

    29/10/2009 às 9:56 am

  50. Aloo mae tudo bem com voce

    03/11/2009 às 9:46 pm

  51. Letícia

    Eu li os dois últimos comentários, mas não sou a favor de provas mais fáceis por causa dos estudantes das escolas públicas. Eu sou aluna de escola pública, e poucos são interessados nos estudos. Acho que uns cinco alunos são realmente bons na minha sala, o resto quer mais é curtir. E vai pra escola porque é obrigado ou por algum outro motivo. MAS os poucos que são interessados podem aprender tanto quanto um aluno de escola particular, e eu sei disso porque eu e duas grandes amigas minhas fomos aprovadas numa prova para entrar em uma escola na qual vários alunos de escolas particulares não foram aprovados. Não sei se em todas as escolas é assim, mas na minha é.

    10/11/2009 às 8:11 pm

  52. Twilight Haters

    Mas Letícia, o fato de alunos estarem desinteressados e irem só pra curtir é uma outra falha do ensino brasileiro como um geral, e não só das escolas públicas (embora lá seja agravado, por n razões, como desinteresse dos professores, descaso, ensino pouco prático e atrasado, aulas vagas, etc). Adolescente, em sua maioria, não quer nem saber MESMO, e só vai se preocupar com estudos quando tiver perto de vestibular – quando isso – pra depois esquecer de novo. É algo a ser trabalhado no modo de ensino. Aí você junta isso aos fatores de que o ensino público é sucateado. Dá nisso!

    Claro que existem quem foge à regra, como você, mas basta ver – foram DUAS alunas, um número realmente pequeno. Eu concordo EM PARTE que o aluno faz diferença, mas não adianta nada ele se esforçar pra caramba se não tem mais nada que possa dar suporte. Tem que ser um trabalho combinado, e não unilateral, entende?

    Lily

    11/11/2009 às 8:45 am

  53. Twilight Haters

    fato de alunos estarem desinteressados e irem só pra curtir é uma outra falha do ensino brasileiro como um geral, e não só das escolas públicas [2]

    Pra mim, isso é um grande desafio dos educadores, de rede pública ou particular: como fazer pra TODOS os alunos se interessarem. Ok, unanimidade nunca funciona, mas a maiora, pelo menos.

    Em escola particular em final de Ensino Médio, todo mundo fica doido pra aprender tudo e passar em vestibular. Eles têm uma motivação, ainda que não a esperada – digo, ninguém quer CONHECIMENTO, quer passar em uma prova e esquecer tudo o que não precisa depois que tiver dentro da universidade.

    Em rede pública, muita gente não tem essa ambição do Ensino Superior. É uma realidade com a qual muitos educadores não estão prontos pra arcar. E não falo isso só de observar, é uma experiência minha. Eu mesma não saberia dar uma aula de Gramática ou Literatura pra uma pessoa que não acha que vai ser mais do que engraxate e manicure, de forma que eles entendam como isso contribui em alguma coisa pra vida profissional deles. Na verdade, isso é meio que regra pra todos os alunos, a diferença é que uns aprendem pro vestibular, outros nunca vão prestar vestibular. Não digo Literatura, porque hoje é cool conhecer milhares de autores, saber o que é uma poesia cubista ou dizer que leu um ensaio batuta do Bosi sobre qualquer coisa; mas Gramática é um treco que nem EU, no último ano de Letras, entendo pra que serve. Não porque sou defensora veemente das variações linguísticas e acho que não existe português correto, etc, mas porque não vejo como esse ensino de regras pelas regras e aplicações em frases soltas pode servir pra alguma coisa. Nunca ouvi falar em alguém que aprendeu a escrever melhor porque sabe regras de Gramática de ponta cabeça. Eu escrevi todo esse comentário – e todos os outros desse blog, assim como os posts – sem nunca parar pra pensar se o conectivo subordinativo escolhido compactua com o tipo de oração feita, sem nunca pensar se a vírgula é adequada por isso ou aquilo e tudo mais.

    Falei tudo isso pra dizer: é compreensível que os alunos não se interessem, se não os próprios educadores sabem bem pra que ensinam aquilo que ensinam. Não gosto de falar de mim mesma como educadora, mas infelizmente meu quase-diploma me habilita pra isso, hahaha :(
    As metodologias precisam ser repensadas, mãããs isso só vai acontecer quando os vestibular também forem repensados, porque as escolas ensinam aquilo que cobram as provas, embora PCN etc digam que não.

    (Ana)

    11/11/2009 às 9:59 am

  54. Nunca ouvi falar em alguém que aprendeu a escrever melhor porque sabe regras de Gramática de ponta cabeça. Eu escrevi todo esse comentário – e todos os outros desse blog, assim como os posts – sem nunca parar pra pensar se o conectivo subordinativo escolhido compactua com o tipo de oração feita, sem nunca pensar se a vírgula é adequada por isso ou aquilo e tudo mais.

    Ana, eu fiquei até tonta lendo isso. .-. suahuehushauehuhsa

    Mas de fato, fiquei imaginando como seria uma poesia cubista – visto que minha imaginação só foi em Picasso e parou ali. x.x

    11/11/2009 às 3:12 pm

  55. Letícia

    Também não consegui pensar em uma poesia cubista.

    Mas, sobre o ensino, OK, o governo tem culpa. Mas a maioria dos professores não tem. Eu tenho nove professores. E nenhum deles é desinteressado ou não sabe pra que serve aquilo que ensina. Todos eles tentam mostrar que suas matérias são importantes e influenciam no nosso dia-a-dia. Mas quem disse que meus colegas dão atenção? Hoje, enquanto o meu professor de Matemática explicava a matéria, o pessoal foi resolver coisas de amigo secreto! Tem matérias que eu não gosto? Tem. Tem matérias que eu não entendo direito? Tem. Mas eu me esforço. E, se eu faço isso, por que os outros não podem? Ok, tem matérias que são meio difíceis. Mas daí a você não saber usar uma subtração em plena 8ª série é outra história. E quanto a não ter ambições na vida, isso é uma coisa cultural, e acaba virando um ciclo vicioso.

    12/11/2009 às 7:19 pm

  56. Letícia

    (Continuando)

    12/11/2009 às 7:20 pm

  57. Letícia

    Mas se eu mudei o meu ciclo, por que os outros não podem?

    12/11/2009 às 7:21 pm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s